Eletrônica

Transistores transparentes permitirão construção de eletrônicos invisíveis

Imagine o párabrisas de um carro que consegue mostrar um mapa até o seu destino, ou mesmo as informações que hoje ficam no painel e estão sempre abaixo da linha de visão do motorista. Já há vários protótipos desse tipo, principalmente em aviões, mas sempre utilizando técnicas complicadas e caras. Agora isso pode mudar.

Pesquisadores da Universidade Northwestern, Estados Unidos, combinaram materiais orgânicos e inorgânicos para produzir transistores transparentes de alto desempenho. Esses transistores podem ser montados tanto sobre plástico quanto sobre vidro.

Há tempos os pesquisadores trabalham no desenvolvimento de telas e monitores que recebam seus dados de circuitos eletrônicos sem a utilização de fios visíveis. Mas, até agora, ninguém havia conseguido construir materiais que permitissem que os próprios transistores - a base de todos os circuitos de controle - fossem invisíveis e mantivessem um nível aceitável de desempenho.

"Nosso desenvolvimento oferece novas estratégias para a criação de eletrônicos transparentes," diz o pesquisador Tobin J. Marks. "Você pode imaginar uma variedade de aplicações para novos equipamentos eletrônicos que não eram possíveis anteriormente - imagine textos ou imagens que possam ser vistos como se estivessem flutuando no espaço."

Os transistores transparentes poderão ser combinados com todas as tecnologias atuais de telas e monitores, como LEDs orgânicos, LCDs e telas de plasma.

Para criar os transistores, o grupo do Dr. Mark combinou películas do semicondutor inorgânico óxido de índio com uma multicamada de moléculas orgânicas capazes de se automontar, que possuem excelentes propriedades isolantes.

Os filmes de óxido de índio podem ser fabricados a temperatura ambiente, permitindo que os transistores transparentes possam ser produzidos a baixo custo. Os pesquisadores fundaram uma empresa, a Polyera, e pretendem que seus transistores invisíveis cheguem ao mercado em um prazo de 12 a 18 meses.





Outras notícias sobre:

Mais Temas