Nanotecnologia

Cientistas criam nanolâmpadas, as menores lâmpadas do mundo

Cientistas criam nanolâmpadas

Para tentar pôr um pouco de luz no mundo da nanotecnologia, cientistas da Universidade de Cornell, Estados Unidos, criaram nanolâmpadas, algumas das menores estruturas emissoras de luz já fabricadas pelo homem. Elas têm o tamanho aproximado de um vírus ou das menores bactérias conhecidas.

Nano-lâmpadas

As nano-lâmpadas consistem de minúsculas fibras orgânicas emissoras de luz, medindo apenas 200 nanômetros de largura cada uma. Elas abrem a possibilidade de que dispositivos eletrônicos flexíveis possam vir a ser usados como sensores, entre várias outras aplicações.

As fibras foram fabricadas com um composto à base do metal rutênio, mesclado com o polímero óxido de polietileno. Os cientistas descobriram que as nanofibras emitem luz na cor laranja quando excitadas por uma pequena tensão elétrica, levada por meio de eletrodos construídos por técnicas de nanofabricação. Ou seja, elas não são muito diferentes de uma lâmpada comum, apenas são minúsculas.

O mais interessante das nano-lâmpadas é que elas são menores do que o comprimento de onda da luz que emitem. Isso as torna de grande interesse para várias áreas de pesquisas, incluindo sensores, microscópios e monitores e TVs de tela plana.

Tecelagem eletrostática

"Imagine ter uma lâmpada que é extremamente pequena," explica o cientista George Malliaras. "Então você pode usá-la para iluminar objetos que você não consegue ver de outro modo."

As nano-lâmpadas foram construídas pelo processo de tecelagem eletrostática ("electrospinning"), um processo muito mais simples e barato do que a litografia de alta resolução empregada na fabricação dos componentes eletrônicos tradicionais.

Outra grande vantagem dos componentes eletrônicos orgânicos - como as nano-lâmpadas agora criadas - é que eles podem ser integrados em equipamentos flexíveis.

Agora os cientistas vão estudar a resistência e a durabilidade das nano-fibras orgânicas emissoras de luz, para garantir que elas suportarão funcionar pelo tempo de vida útil de um equipamento eletrônico.

Bibliografia:

Electrospun Light-Emitting Nanofibers
José M. Moran-Mirabal, Jason D. Slinker, John A. DeFranco, Scott S. Verbridge, Rob Ilic, Samuel Flores-Torres, Héctor Abruña, George G. Malliaras, H. G. Craighead
Nano Letters
February 2007
Vol.: Vol.7(2); 458-463
DOI: 10.1021/nl062778+




Outras notícias sobre:

Mais Temas