Robótica

Robôs agrícolas farão colheita de frutas de forma autônoma

Redação do Site Inovação Tecnológica - 30/08/2007

Robôs na agricultura - Colheita de frutas

A alta tecnologia não é nenhuma desconhecida dos fazendeiros e da atividade agrícola, que já contam, entre outras possibilidades, com sistemas de adubação e aplicação de defensivos orientados automaticamente por GPS - cada porção da lavoura recebe os adubos na exata medida da composição do solo naqueles poucos metros quadrados. É a chamada agricultura de precisão.

Robótica na agricultura

De olho em mais tecnologia, um grupo de agricultores dos Estados Unidos teve uma visão, na qual eles podiam contar com a robótica em suas plantações também durante a colheita. Procuraram então a empresa Vision Robotics, que foi incumbida de desenvolver robôs para a colheita de frutas, como laranjas, maçãs e peras. Foi a Vision Robotics que desenvolveu o famoso robô-aspirador Roomba.

Não é a primeira vez que se tenta automatizar a colheita de frutas ou outros produtos agrícolas. Todas as tentativas anteriores fracassaram, com equipamentos caros e ineficientes. Segundo Derek Morikawa, que coordena o desenvolvimento deste novo projeto, os fracassos aconteceram porque as máquinas experimentais construídas anteriormente se aproximavam das árvores como um trabalhador humano faz, pegando uma fruta, guardando-a e então passando para a próxima.

Dois robôs colhedores de frutas

A solução agora é diferente. Os engenheiros subdividiram a tarefa da colheita de frutas entre dois robôs: o primeiro localiza todas as frutas a serem colhidas e o segundo coleta cada uma delas. "Uma vez que você sabe onde todas as frutas estão, torna-se fácil calcular a forma mais eficiente de pegar cada uma delas," explica Morikawa.

O primeiro robô é dotado de um sistema de visão artificial que rastreia toda a plantação, construindo um mapa 3-D da localização e do tamanho de cada laranja. A seguir ele calcula a melhor ordem para que elas possam ser colhidas. A informação é enviada para o segundo robô, dotado de nada menos do que oito braços. Trabalhando de forma coordenada, os braços nunca se cruzam, otimizando a tarefa de pegar todas as laranjas previstas.

Inteligência do trabalhador

Os engenheiros afirmam que a construção da parte mecânica não oferece nenhum desafio que possa se transformar em um entrave para a viabilização dos robôs- colheitadeiras. O grande problema está em escrever o software, a inteligência dos robôs.

Depois que o mapa 3-D estiver pronto, na forma de uma imagem digital na memória do robô, o programa deverá começar seu trabalho, respondendo a algumas perguntas cruciais - Qual é o tamanho de cada laranja? De que cor ela é? Há pontos pretos nela? A resposta a todas estas perguntas determina se cada laranja atende os parâmetros de uma laranja sadia e se ela deve ou não ser colhida. A seguir, um algoritmo extremamente otimizado determina a ordem em que os oito braços do robô-colhedor deverão ser acionados para pegar todas as laranjas ótimas no menor período de tempo.

O "robô-olhos de águia", capaz de ver as laranjas, já está pronto e em testes. Já o "robô-polvo" somente começará a ser construído no próximo ano. Os engenheiros acreditam ser necessário ainda outros dois anos para que o sistema possa começar a substituir os trabalhadores humanos.

Outras notícias sobre:

Mais Temas