Robótica

Robô dotado de curiosidade poderá ser mais eficaz na exploração espacial

Redação do Site Inovação Tecnológica - 01/10/2007

Robô dotado de curiosidade poderá ser mais eficaz na exploração espacial
O software de controle que dá aos robôs a capacidade de "imaginar a si próprio". [Imagem: Josh Bongard Lab]

Quando se trata de explorar locais e mundos desconhecidos, seja a Antártica ou a superfície de Marte, os robôs têm sido construídos com um enfoque eminentemente conservador. Isso significa que eles são lentos e passam aos cientistas um mar de informações antes que possam se mover um ou dois metros. Algo perfeitamente razoável, já que ninguém quer arriscar um projeto de milhões de dólares e pôr tudo a perder por causa de uma pedra no caminho.

Robô com curiosidade

O professor Josh Bongard, da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, pertence ao time dos que acreditam que já temos ferramentas que nos permitem arriscar um pouco mais, e construir robôs que possam ser mais produtivos, explorando uma área muito maior em menos tempo.

Em vez de dotar seus robôs com sofisticados sistemas de visão artificial, ele está construindo um software de controle que dá aos seus rovers a capacidade de "imaginar a si próprio" inserido no ambiente que ele deve explorar.

Talvez mais importante do que essa capacidade de se localizar, o programa de inteligência artificial dá ao robô uma espécie de sentido de curiosidade.

Navegação inteligente

Inicialmente o robô faz uma varredura do ambiente ao seu redor, colhendo dados por meio de dois sensores comuns, capazes de detectar a inclinação do terreno. A partir dessa informação inicial, ele constrói 15 cenários possíveis para descrever o ambiente ao seu redor.

Os 15 modelos são então combinados e o robô identifica a direção na qual os modelos mais variam. Essa variação nos modelos significa que os dados são insuficientes para se ter uma idéia precisa daquele local. Os projetistas e controladores das missões tradicionais fariam com que seus robôs fugissem rapidamente desse terreno incerto.

Mas o robô curioso do Dr. Bongard faz justamente o contrário. Ele caminha automaticamente nessa direção, procurando explorá-la e conhecer mais a seu respeito a fim de construir um modelo mais preciso.

O robô curioso é, por enquanto, basicamente virtual e está sendo aprimorado em simuladores. A seguir ele será avaliado dando inteligência ao robô adaptativo criado pela mesma equipe de pesquisadores, que é visto na foto. No futuro ele poderá então receber os aparatos normais de visão artificial, melhorando ainda mais seu desempenho e equipando-o com um sistema de segurança.

Bibliografia:

Synthesizing Physically-Realistic Environmental Models from Robot Exploration
Josh Bongard
Advances in Artificial Life: 9th European Conference
September 2007
Vol.: pp. 806-815
Outras notícias sobre:

Mais Temas