Espaço

A estrela anã e seus sete planetas

A estrela anã e seus sete planetas
Há pelo menos sete planetas nesta estrela anã superfria e todos eles têm aproximadamente o mesmo tamanho da Terra.[Imagem: NASA/JPL-Caltech]

Sete terras

Astrônomos descobriram um sistema com sete planetas do tamanho da Terra a um pulinho daqui em termos astronômicos - apenas 40 anos-luz de distância.

Usando telescópios no espaço e no solo, os exoplanetas foram todos detectados pela técnica do trânsito planetário, quando passavam em frente da sua estrela progenitora, a estrela anã superfria chamada TRAPPIST-1 - o nome é uma referência ao telescópio usado para descobri-la, o Transiting Planets and Planetesimals Small Telescope.

Três dos planetas situam-se na zona habitável da estrela, com possibilidade de água líquida na superfície, aumentando a possibilidade deste sistema planetário conter vida - nunca tantos planetas promissores haviam sido identificados ao redor de uma única estrela. Os sete pequenos planetas, por enquanto, estão sendo chamados de TRAPPIST-1b, c, d, e, f, g, h - por ordem crescente de distância da estrela.

Os astrônomos utilizaram o telescópio TRAPPIST-Sul instalado no Observatório de La Silla do ESO, o VLT situado no Paranal e o Telescópio Espacial Spitzer da NASA, além de outros telescópios em todo o mundo para confirmar a existência dos sete planetas - não está descartada a possibilidade da existência de outros planetas no sistema.

"Trata-se de um sistema planetário extraordinário - não apenas por termos encontrado tantos planetas, mas porque todos eles são surpreendentemente parecidos com a Terra em termos de tamanho!" comemorou Michaël Gillon, da Universidade de Liège, na Bélgica.

A estrela anã e seus sete planetas
Este diagrama compara as órbitas dos exoplanetas em torno da estrela vermelha TRAPPIST-1 com as órbitas dos satélites galileanos de Júpiter e o Sistema Solar interior. [Imagem: ESO/O. Furtak]

Estrela TRAPPIST-1

Com apenas 8% da massa do Sol, a TRAPPIST-1 é muito pequena em termos estelares, apenas um pouco maior que o planeta Júpiter. Por isso, apesar de se encontrar próxima de nós, na constelação de Aquário, ela é muito fraca para ser vista a olho nu. Para os telescópios, por outro lado, isto é uma ótima notícia, já que eles não são tão ofuscados pelo brilho como ocorre na observação de estrelas mais brilhantes.

"A energia emitida por estrelas anãs como a TRAPPIST-1 é muito menor do que a liberada pelo nosso Sol e por isso os planetas têm que ocupar órbitas muito mais próximas da estrela do que as que observamos no Sistema Solar para poderem ter água na superfície. Felizmente, parece que este tipo de configuração compacta é exatamente o que observamos em torno de TRAPPIST-1!" disse Amaury Triaud, coautor da descoberta.

Desta forma, o sistema se parece muito mais com Júpiter e suas luas do que com o Sistema Solar inteiro. As órbitas dos planetas não são muito maiores que as apresentadas pelo sistema de satélites galileanos situado em torno de Júpiter, sendo muito menores que a órbita de Mercúrio no Sistema Solar.

A equipe determinou que todos os planetas no sistema são semelhantes à Terra e a Vênus em termos de tamanho, ou ligeiramente menores. As medições de densidade sugerem que pelo menos os seis planetas mais internos têm provavelmente uma composição rochosa.

A estrela anã e seus sete planetas
Este diagrama compara os tamanhos dos exoplanetas em torno da estrela TRAPPIST-1 com os satélites galileanos de Júpiter e o Sistema Solar interior. [Imagem: ESO/O. Furtak]

Zona habitável

O pequeno tamanho da TRAPPIST-1, assim como a sua temperatura baixa, significam que a emissão de energia dirigida aos seus planetas é semelhante à recebida pelos planetas internos do nosso Sistema Solar; os planetas TRAPPIST-1c, d, f recebem quantidades de energia comparáveis às que os planetas Vênus, Terra e Marte, respectivamente, recebem do Sol.

Os sete planetas podem potencialmente conter água líquida em sua superfície, apesar de as distâncias orbitais tornarem alguns candidatos mais prováveis a esta condição do que outros. Os modelos climáticos sugerem que os planetas mais internos, TRAPPIST-1b, c, d, são provavelmente muito quentes para possuírem água líquida, exceto talvez numa pequena fração das suas superfícies. A distância orbital do planeta mais exterior do sistema, TRAPPIST-1h, ainda não foi confirmada, embora ele pareça encontrar-se muito afastado e frio para poder conter água líquida - assumindo que não ocorra nenhum processo de aquecimento alternativo.

Já os planetas TRAPPIST-1e, f, g representam o "santo graal" para os astrônomos que procuram planetas, uma vez que orbitam na zona habitável da estrela e poderão conter água em suas superfícies.

Bibliografia:

Seven temperate terrestrial planets around the nearby ultracool dwarf star TRAPPIST-1
Michael Gillon et al.
Nature
Vol.: 542, 456-460
DOI: 10.1038/nature21360




Outras notícias sobre:

Mais Temas