Materiais Avançados

Adesivo-lagartixa mostra sua força em múltiplas situações

Adesivo-lagartixa mostra sua força em múltiplas situações
Parece que os adesivos inspirados nas patas das lagartixas finalmente ficaram práticos. [Imagem: Sukho Song et al. - 10.1073/pnas.1620344114]

Biomimetismo prático

Engenheiros alemães parecem ter finalmente conseguido copiar a técnica que as lagartixas usam para se agarrar às paredes e tetos.

Sukho Song e seus colegas do Instituto Max Planck de Sistemas Inteligentes conseguiram copiar os naturais "adesivos secos" das patas das lagartixas.

Embora muito se tenha feito especificamente nesse campo da biomimética ao longo dos anos, as demonstrações de Song não parecem deixar margem a dúvidas sobre o seu sucesso.

Em seu varal de demonstração, o pesquisador usou o adesivo biomimético para pendurar diversos objetos, incluindo um frasco de vidro com 200 ml de suco, pesando 307 gramas, vários canecos, pesando 188 gramas cada um, e outros objetos mais leves, mas com texturas desafiadoras, como um tomate (41 gramas) e uma embalagem plástica (139 gramas).

Adesivo biomimético

O adesivo biomimético consiste em uma membrana elástica recoberta com minúsculas fibras - imitando as patas das lagartixas, algo que vários outros grupos já fizeram.

Mas o grande avanço foi dotar internamente o material de um diferencial de pressão que evita que a carga se concentre nas bordas do adesivo. Além de segurar mais, o material oferece uma forte adesão mesmo em superfícies curvas.

"Outra vantagem é que a garra pode lidar com a deformação de um objeto. Desta forma, as superfícies não se soltam, o que poderia levar à perda da força de adesão," disse o professor Dirk-Michael Drotlef.

Em termos de eficiência - máxima força adesiva -, a equipe calcula que seu adesivo seco chegou aos 26%, o que é muito mais do que o 1,8% obtido até então.

Bibliografia:

Controllable load sharing for soft adhesive interfaces on three-dimensional surfaces
Sukho Song, Dirk-Michael Drotlef, Carmel Majidi, Metin Sitti
Proceedings of the National Academy of Sciences
DOI: 10.1073/pnas.1620344114




Outras notícias sobre:

Mais Temas