Espaço

Astrônomos amadores descobrem planeta com quatro sóis

Astrônomos amadores descobrem planeta com quatro sóis
Um planeta com quatro sóis mostra que o Universo parece ser muito mais criativo do que as dificuldades matemáticas indicavam. [Imagem: Haven Giguere/Yale]

Onde o Sol nunca se põe

Dois astrônomos amadores encontraram um planeta cujos céus são iluminados por quatro sóis.

E esse mundo absolutamente estranho está "nas vizinhanças" em termos astronômicos, a meros 5 mil anos-luz da Terra, na Constelação do Cisne.

O exoplaneta gira ao redor de um par de estrelas, e há um segundo binário estelar girando em torno do conjunto.

Os astrônomos ainda terão que criar modelos para tentar explicar como tal configuração é possível, já que é muito difícil imaginar como o planeta não foi destruído pelas complicadas interações dos campos gravitacionais das quatro estrelas.

Mundos especiais

O primeiro planeta com dois sóis foi descoberto em 2011, mas logo os astrônomos viram que planetas em sistemas binários são comuns - eles são chamados planetas circumbinários.

As coisas começaram a ficar mais complicadas quando, em Fevereiro deste ano, foi descoberto um planeta com três sóis, e cuja posição em relação às suas estrelas indica que ele pode estar na zona habitável.

Os cientistas começaram a coçar a cabeça quando foram encontrados dois planetas orbitando dois sóis.

Agora, a descoberta de um planeta com quatro sóis mostra que o Universo parece ser muito mais criativo do que as dificuldades matemáticas indicavam.

Cientistas cidadãos

Os norte-americanos Kian Jek e Robert Gagliano, descobridores do estranho mundo, participam de um projeto de ciência-cidadã, mantido pela Universidade de Yale, chamado Planethunters.org - caçadores de planetas, em tradução livre.

Cientistas cidadãos são voluntários que atendem ao apelo de cientistas para ajudar a desvendar um volume de dados grande demais para ser analisado apenas pelos cientistas assalariados.

Depois de localizado por Jek e Gagliano, o sistema planetário inusitado foi analisado por pesquisadores das universidades de Yale (EUA) e Oxford (Reino Unido) - os dois voluntários aparecem como coautores do artigo científico que descreve a descoberta.

O planeta com quatro sóis foi batizado de PH1, em homenagem ao projeto Planethunters.

Os cálculos indicam que se trata de um gigante gasoso, seis vezes maior do que a Terra - com uma dimensão pouco superior à de Netuno.

Bibliografia:

Planet Hunters: A Transiting Circumbinary Planet in a Quadruple Star System
Megan E. Schwamb, Jerome A. Orosz, Joshua A. Carter, William F. Welsh, Debra A. Fischer, Guillermo Torres, Andrew W. Howard, Justin R. Crepp, William C. Keel, Chris J. Lintott, Nathan A. Kaib, Dirk Terrell, Robert Gagliano, Kian J. Jek, Michael Parrish, Arfon M. Smith, Stuart Lynn, Robert J. Simpson, Matthew J. Giguere, Kevin Schawinski
arXiv
http://arxiv.org/abs/1210.3612




Outras notícias sobre:

Mais Temas