Energia

Bateria de grafeno coleta energia termal do ambiente

Diagrama da célula termal de grafeno, que captura energia térmica do ambiente continuamente, sem nenhum recarregamento. [Imagem: Zihan Xu]

Coletor de energia do calor

Cientistas da Universidade Politécnica de Hong Kong afirmam que ter inventado um novo tipo de gerador/coletor de energia que depende unicamente do calor ambiente para funcionar.

Embora o chamem de "bateria", os cientistas afirmam que seu dispositivo captura a energia termal de íons em uma solução e a converte em eletricidade - sem a necessidade de nenhum tipo de recarregamento.

A invenção poderá ser útil em uma série de dispositivos de colheita de energia, como a alimentação de implantes médicos ou de equipamentos portáteis, usando como fonte de energia o calor do corpo.

Mas, se a descoberta for confirmada, não parecem haver motivos que impeça que ela seja usada em larga escala, para a criação de fontes de energia ambientalmente amigáveis.

Energia dos íons

Quando em solução aquosa, a temperatura e pressão ambientes, os íons viajam a centenas de metros por segundo.

Isso significa que a energia termal desses íons pode atingir vários kilojoules por quilograma por grau de temperatura.

Mas têm sido poucas as pesquisas que tentam capturar essa energia e aproveitá-la de forma útil - transformando-a em eletricidade, por exemplo.

Zihan Xu e seus colegas afirmam ter conseguido isto conectando eletrodos de ouro e prata a uma tira de grafeno.

Eles relatam que seis dessas células colocadas em uma solução de íons de cloreto de cobre produzem uma tensão de até 2 Volts.

Isso é suficiente para acender um LED, o que é impressionante dadas as dimensões envolvidas.


Apenas seis células do coletor/gerador termal são suficiente para alimentar um LED. [Imagem: Zihan Xu]

Gerador contínuo

Mais impressionante ainda é o fato de que nem a solução de cloreto de cobre, assim como nenhum outro componente da bateria/gerador precisa ser substituído e nem recarregado.

Ao contrário das baterias de íons de lítio, que convertem a energia química em eletricidade, e precisam ser recarregadas, essa bateria/gerador de grafeno só depende do calor do ambiente para funcionar.

"A saída de nosso dispositivo é contínua, e ele funciona unicamente coletando a energia termal do entorno dos íons de cloreto de cobre. Ou seja, em teoria, ele funciona de forma ilimitada," disse Xu.

Célula termal de grafeno

Sendo assim, o aparelho funcionaria de forma mais parecida com uma célula solar, com a diferença que coleta a energia térmica, em vez da energia luminosa.

Os íons de cobre colidem continuamente com a fita de grafeno, deslocando seus elétrons.

Esses elétrons podem se combinar com os íons de cobre ou viajar através da fita de grafeno e sair pelos eletrodos, gerando a saída elétrica.

Esse é, na verdade, o caminho preferido dos elétrons, já que eles podem viajar muito mais rapidamente pelo grafeno do que pela solução iônica.

E o grafeno parece ser a parte essencial desse gerador/coletor de energia, já que experimentos com grafite e filmes de nanotubos de carbono não apresentaram os mesmos resultados.

O artigo descrevendo a descoberta ainda não foi publicado por uma revista científica, o que significa que esse novo gerador/coletor de energia termal ainda precisa de revisão e confirmação por outros cientistas.

Bibliografia:

Self-Charged Graphene Battery Harvests Electricity from Thermal Energy of the Environment
Zihan Xu, Guoan Tai, Yungang Zhou, Fei Gao, Kim Hung Wong
http://arxiv.org/abs/1203.0161




Outras notícias sobre:

Mais Temas