Plantão

Brasil já tem mais de 100 empresas de base nanotecnológica

Roupas que combatem a celulite e cápsulas que hidratam a pele estão entre as novidades que chegam ao mercado brasileiro no rol de uma série de produtos criados a partir da nanotecnologia.

De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), há cerca de 100 empreendimentos no Brasil baseados em nanotecnologias. O estado de Santa Catarina lidera com 25 empresas com essa especialização.

"Esse empreendedor, via de regra, não tem perfil empresarial, é um cientista. Então é fundamental que ele busque se capacitar em gestão empresarial, entender que empresa é muito diferente de laboratório, entender de gestão financeira, de pessoas, linhas de acesso a mercado, linhas de acesso a financiamento", recomenda Célio Cabral gerente de Acesso à Inovação e Tecnologia do Sebrae.

Apoio e recursos

O Sebrae oferece uma gama de serviços para os empreendimentos de base nanotecnológica, como assessoria, consultoria, capacitação e recursos de até R$ 125 mil não-reembolsáveis para projetos de inovação.

A nanotecnologia foi incluída no Plano Plurianual (PPA) do governo federal de 2000-2003 e ganhou programa específico a partir do PPA seguinte. Até o ano passado, o Brasil respondia por menos de 0,1% da produção mundial do setor.

Mesmo com os altos custos, riscos e retornos de longo prazo que envolvem esse tipo de negócio, o número de empresas com base tecnológica tem crescido exponencialmente no Brasil. "Porque é um diferencial competitivo, sobretudo, em um momento de crise, em que as condições econômicas são cada vez mais difíceis no acesso ao mercado. O risco é maior, mas a possibilidade de retorno é grande", comentou o gerente de Acesso à Inovação e Tecnologia do Sebrae, Célio Cabral.

Regulamentação da nanotecnologia

Em 2014, o Brasil passou a integrar o programa NanoReg, um projeto de pesquisa com foco na regulamentação em nanotecnologia, proposto por um consórcio de mais de 50 instituições do mundo todo, entre empresas, universidades, institutos de pesquisa, institutos de metrologia e órgãos de governo, com financiamento da União Europeia.

Dentre os objetivos do projeto está o de disponibilizar aos legisladores um conjunto de ferramentas para avaliação de risco e instrumentos de tomada de decisão, a curto e médio prazo. Outra meta é desenvolver e estabelecer uma estreita colaboração entre governos e indústria para a gestão adequada dos riscos e criar a base para abordagens comuns, conjuntos de dados mutuamente aceitáveis e práticas de gestão de risco.

Em 2012, O Ministério de Ciência Tecnologia e Inovação criou o Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologias (SisNANO), uma rede de laboratórios com o objetivo de fornecer infraestrutura e suporte acessíveis a pesquisadores, empresas e órgãos públicos de todo o país para o desenvolvimento e inovação em nanociências e nanotecnologias.





Outras notícias sobre:

Mais Temas