Plantão

Brasil pode se tornar membro oficial do CERN

Sócio do LHC

Representantes do do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN, na sigla em inglês), estiveram no Brasil para avaliar se o país tem condições de se tornar membro associado da instituição.

O CERN é o responsável pela construção e operação do maior acelerador de partículas do mundo - o Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) -, onde foram descobertos nos últimos meses indícios da existência do bóson de Higgs.

Até hoje, 20 países europeus são oficialmente membros do CERN, que foi fundado em 1954. Outros 40 países que não são membros oficiais, incluindo o Brasil, têm pesquisadores participando dos experimentos realizados na instituição.

A partir de 2010, em função da redução da contribuição de seus países-membros, causada pela crise econômica europeia, a organização passou a aceitar como membros associados países não europeus.

O Brasil e Rússia, entre outras nações, demonstraram interesse em fazer parte do grupo.

Custos e benefícios

Para se tornar membro associado, os representantes do CERN avaliam se a comunidade de físicos, além de universidades, instituições de pesquisa e empresas do país têm condições de se beneficiar das atividades relacionadas à física de partículas realizadas na instituição e das tecnologias associadas e geradas a partir delas.

A internet, por exemplo, foi criada em 1989 por um cientista do CERN - o físico britânico Tim Berners-Lee, em parceria com outro pesquisador da instituição, o belga Robert Cailliau.

Se for aceito como membro oficial do CERN, o Brasil terá que contribuir com uma taxa anual calculada em função do PIB do país - o orçamento da instituição foi o equivalente a R$2,54 bilhões em 2011.

Em contrapartida, as indústrias brasileiras poderão se habilitar para participar dos contratos que a instituição oferece para o fornecimento de tecnologias para as atualizações do LHC e para os experimentos realizados na instituição.

Além disso, o país também poderá participar dos programas de pós-doutorado, treinamento para engenheiros e períodos sabáticos oferecidos pelo CERN e ser membro do conselho da instituição.

Como membro oficial do centro de pesquisa, o Brasil ainda terá poder de voto nos comitês de colaborações, que decidem como serão realizados e financiados os experimentos e as análises dos dados gerados por eles.

Participação brasileira no LHC

Um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) participa da colaboração Compact Muon Solenoid (CMS, na sigla em inglês), um dos grandes detectores do LHC.

Os pesquisadores da Unesp integram o Centro de Pesquisa e Análise de São Paulo (Sprace, na sigla em inglês), criado em 2003.

O Sprace teve participação ativa no experimento DZero do Fermilab, nos Estados Unidos, que operou até setembro de 2011 e já publicou mais de 130 trabalhos científicos resultados de pesquisas com a colaboração CMS.

O cluster do Sprace, atualmente com capacidade de armazenamento de 1 petabyte, faz parte do Worldwide Computing Grid do LHC (WLCG).

Cientistas da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) também participam da colaboração ALICE, outro detector do LHC, que reúne mais de 1,2 mil cientistas de 36 países e 132 instituições de pesquisa diferentes.

Em sua passagem pelo Brasil, a delegação do CERN visitou universidades, instituições de pesquisa e empresas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas e Brasília.

Polêmica

Recentemente o Brasil formalizou sua adesão a outro grande projeto internacional, o Observatório Europeu do Sul (ESO).

A medida recebeu duras críticas da comunidade científica não envolvida com a decisão, que afirma que os recursos poderiam ser gastos de forma mais produtiva com pesquisas mais afetas aos trabalhos desenvolvidos nas universidades brasileiras.





Outras notícias sobre:

Mais Temas