Energia

Brinquedos inteligentes sem baterias geram sua própria energia

Brinquedos inteligentes sem baterias geram sua própria energia
A pequena tela do brinquedo mostra um C para a resposta correta selecionada - sem usar baterias. [Imagem: American Chemical Society]

Brinquedos sem baterias

Os trágicos acidentes, em que crianças engolem as baterias de seus brinquedos, logo poderão ser coisa do passado, graças o trabalho de Arunkumar Chandrasekhar e sua equipe da Universidade Nacional Jeju, na Coreia do Sul.

Chandrasekhar está adaptando a tecnologia emergente dos nanogeradores, desenvolvidos inicialmente como vistas à internet das coisas, para que os brinquedos possam gerar sua própria energia a partir dos movimentos que a criança executa.

Contudo, para gerar a energia necessária para um brinquedo - muito mais do que a energia capaz de alimentar um sensor, por exemplo - os materiais usados na maioria dos geradores triboelétricos feitos até agora resultariam em um dispositivo grande demais, além de serem rígidos.

Brinquedos mais duráveis

A alternativa foi encontrada em um plástico reciclado, no qual foi incorporado o material piezoelétrico que gera a energia. O protótipo ficou leve e flexível, além de ser fabricado por um processo muito simples, potencialmente muito barato quando chegar à escala industrial.

No brinquedo de demonstração, a energia necessária para alimentar os LEDs e a tela que indicam se a resposta está correta ou não é gerada pelo próprio botão que a criança aperta para selecionar sua opção - o botão é feito do material gerador de eletricidade.

A inovação também terá outros impactos positivos, como uma maior durabilidade dos brinquedos, que geralmente são descartados pelas crianças assim que as baterias acabam - levando seus pais a descartá-los como lixo.

Bibliografia:

Sustainable Biomechanical Energy Scavenger toward Self-Reliant Kids' Interactive Battery-Free Smart Puzzle
Arunkumar Chandrasekhar, Nagamalleswara Rao Alluri, Venkateswaran Vivekananthan, Jung Hwan Park, Sang-Jae Kim
DOI: 10.1021/acssuschemeng.7b01561




Outras notícias sobre:

Mais Temas