Espaço

Descoberta uma estrela super pura

Descoberta uma estrela super pura
Visualização artística da anã marrom 250 vezes mais pura do que o Sol.[Imagem: John Pinfield]

Pura e pesada

Astrônomos encontraram uma estrela anã marrom que, de uma só vez, quebra dois recordes: a composição mais "pura" já vista até hoje e a maior massa já medida em uma estrela desse tipo.

As anãs marrons são intermediárias entre os planetas e as estrelas de pleno direito - sua massa é pequena demais para iniciar a fusão nuclear de hidrogênio em hélio. Mas geralmente elas têm uma massa significativamente maior do que os planetas.

A estrela recém-descoberta é formada de um gás que é cerca de 250 vezes mais puro do que o gás que forma o Sol, consistindo em mais de 99,99% de hidrogênio e hélio.

Com uma idade de cerca de 10 bilhões de anos, a SDSS J0104+1535 tem uma massa equivalente a 90 vezes a de Júpiter, a mais pesada já encontrada. Ela está localizada na direção da constelação de Peixes, a 750 anos-luz da Terra. Isso a coloca no chamado halo da Via Láctea, a região onde se encontram as estrelas mais antigas da galáxia.

Pureza estelar

Até agora não se sabia que anãs marrons poderiam formar-se a partir de um gás tão primordial - nesse nível de pureza, o gás não teve tempo de se misturar a elementos mais pesados. Para comparação, estima-se que o Sol seja composto de 74,9% de hidrogênio e 23,8% de hélio, o que deixa 1,3% de elementos-traço, mais pesados, enquanto a nova estrela tem apenas 0,01%.

"Nós realmente não esperávamos ver anãs marrons tão puras. Tendo encontrado uma, desconfiamos que possa haver uma população muito maior até agora desconhecida - eu ficaria muito surpreso se não houvesse muitos objetos semelhantes lá fora, esperando para serem descobertos," disse o professor Zeng Hua Zhang, do Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias.

Bibliografia:

Primeval very low-mass stars and brown dwarfs - II. The most metal-poor substellar object
Z. H. Zhang, D. Homeier, D. J. Pinfield, N. Lodieu, H. R. A. Jones, F. Allard, Ya. V. Pavlenko
Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
DOI: 10.1093/mnras/stx350




Outras notícias sobre:

Mais Temas