Plantão

Embrapii credencia sete novas unidades de inovação

Seleção por competência

A Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa de Inovação Industrial) assinou contratos com sete novas unidades credenciadas, das quais três são de projetos da USP.

A Embrapii é uma organização social que mantém contrato de gestão com o Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e Ministério da Educação (MEC). Atua por meio da cooperação com instituições de pesquisa científica e tecnológica, públicas ou privadas, tendo como foco as demandas empresariais e como alvo o compartilhamento de risco na fase pré-competitiva da inovação.

As unidades selecionadas estão credenciadas a receber recursos financeiros para prospectar e executar projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação em parceria com empresas industriais. Para isso, devem ter um plano de ação para seis anos de operação, incluindo metas a serem atingidas quanto ao número de projetos e valores estimados.

"A Embrapii veio estimular ainda mais a interação dos grupos acadêmicos com a indústria. O modelo é bastante distinto de outros que existem no mundo todo porque pré-selecionamos aqueles grupos de pesquisa que estão qualificados e capacitados, que já têm infraestrutura e alguma experiência em trabalhar em projetos com empresas, para aumentar essa capacidade de interação. O modelo foca no projeto da indústria, o que tem dado resultados bastante interessantes", destacou o diretor-presidente da Embrapii, Jorge Almeida Guimarães.

Unidades credenciadas da Embrapii

Atualmente, a Embrapii tem 35 unidades credenciadas e a expectativa é que esse número chegue a 42 até o final deste ano.

As unidades da USP selecionadas estão ligadas à Escola de Agricultura Superior "Luiz de Queiroz" (Esalq), ao Instituto de Física de São Carlos (IFSC) e à Escola Politécnica (Poli). No total, as novas unidades poderão receber até R$ 177 milhões para seus planos de ação.

A Esalq atuará na área de biocontroladores de pragas agrícolas e o IFSC apresentará projetos em biofotônica e instrumentação, ligados ao desenvolvimento de equipamentos médicos para tratamento por meio de luzes e microondas terapêuticas. Já a Poli, por meio do Departamento de Engenharia Química, irá oferecer às empresas assessoria na recuperação de rejeitos industriais por meio do desenvolvimento de substâncias químicas sustentáveis, a chamada química verde.

Além da USP, as outras unidades credenciadas pela Embrapii foram o Centro de Química Medicinal de Inovação Aberta da Unicamp; o Centro Suíço de Eletrônica e Microtécnica, localizado em Minas Gerais; o Instituto Senai de Joinville; e o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico de Manaus.





Outras notícias sobre:

Mais Temas