Anúncios





Plantão

Rio terá a fábrica de motos e bicicletas elétricas

Agência Brasil - 11/08/2010

Rio terá a fábrica de motos e bicicletas elétricas
Serão fabricados dois modelos de bicicletas, dois de scooters, uma scooter maior para levar mais de uma pessoa, outra scooter intermediária e uma moto elétrica de alto desempenho. [Imagem: Kasinski]

O estado do Rio de Janeiro vai receber a primeira fábrica de veículos movidos com energia elétrica do Brasil.

O anúncio foi feito pela CR Zongshen E-Power (CRZ-E) que vai operar com a marca Kasinski na fabricação de motocicletas e bicicletas com motorização elétrica.

Bicicletas e motos elétricas

De acordo com o presidente da Kasinski, Claudio Rosa Junior, o investimento será de R$ 20 milhões, e a fábrica será construída em 6 mil metros quadrados. É o primeiro investimento do estado beneficiado pelo recém-criado decreto que prevê a concessão de incentivos para veículos elétricos.

A tecnologia é pioneira no setor de duas rodas no Brasil e a fábrica vai gerar, no primeiro momento, 150 empregos diretos.

O presidente da empresa anunciou um primeiro investimento na fabricação de sete modelos. Serão dois modelos de bicicletas, dois de scooters, uma scooter maior para levar mais de uma pessoa, outra scooter intermediária e uma moto elétrica de alto desempenho. A moto será oferecida como alternativa para empresas de entrega.

A empresa estuda parcerias para distribuir os produtos entre empresas que utilizam motos, como vigilância de condomínios, estacionamentos e serviços de entregas. Ele anuncia que já existem parcerias com 120 concessionárias e espera terminar o ano com 200 parceiras para venda dos produtos.

Bateria de lítio

Por ser pioneira no Brasil, a tecnologia torna o produto mais caro, pois cerca de 70% dos componentes são importados do Canadá, da China e Coreia. Apesar do custo final da produção da unidade sair mais alto, a Kasinski afirma que irá subsidiar os preços para que tenham o mesmo valor que o similar movido à combustão.

Rosa ressaltou que a adaptação para esse tipo de veículo não é difícil, já que ele segue as mesmas normas de licenciamento dos convencionais, mas a autonomia é um problema. Uma bateria de lítio com carga completa pode garantir até 60 quilômetros de percurso. Para recarregá-la basta ligar numa tomada comum por, pelo menos, seis horas.

A Kasinski está negociando com concessionárias de energia elétrica e com empresas de distribuição e comercialização de combustíveis a possibilidade de implantar nos postos máquinas de recarga expressa que efetuariam a carrega num intervalo entre 45 minutos e uma hora.

A empresa também estuda a implantação de uma metodologia pouco comum de troca de baterias usando cartão de recarga nos postos - veja detalhes dessas possibilidades tecnológicas na reportagem Carros elétricos podem viabilizar adoção de energia limpa.

Vida saudável

A empresa já tem uma fábrica em Manaus cuja capacidade de produção gira em torno de 110 mil unidades por ano. Rosa afirmou que a Kasinski estudou durante seis meses a possibilidade de implantar a unidade no estado, e que está satisfeito com as condições oferecidas pelo município de Sapucaia, no centro fluminense. A expectativa é de começar a produção já no primeiro semestre de 2011. Ele afirma que a empresa espera um lucro anual de R$ 30 milhões.

"A nossa empresa não vai só atender o mercado brasileiro. Nós temos como expectativa utilizar o polo industrial do Brasil para o fornecimento de todo o mercado [do continente] americano. E são produtos que hoje já são fabricados pela China e exportados para esses países. A partir do momento que tivermos escala de produção, nós pararemos de fornecer por lá e passaremos a fornecer só pelo Brasil", afirmou Rosa.

O secretário de Desenvolvimento Econômico do estado, Julio Bueno, destacou o pioneirismo da iniciativa, a geração de empregos e o empenho do governo numa alternativa de transporte não poluente. "Estamos recebendo uma linha de produtos que tem muito a cara do Rio de Janeiro, que é a bicicleta, a vida ao ar livre, saudável. E tem a questão da sustentabilidade", disse Bueno.

Outras notícias sobre:

Mais Temas