Plantão

Google lança ferramenta para vida após a morte digital

Herança digital

O Google anunciou a criação de uma ferramenta para que os usuários decidam o que deverá ser feito com seus dados após sua morte, ou após eles ficarem inativos online.

Trata-se da primeira empresa a lidar com a espinhosa questão da vida após a morte no mundo digital.

A medida vale para e-mail, para a rede social Google Plus e outras contas.

Os usuários poderão escolher que seus dados sejam apagados ou enviados a alguém, após um determinado período de inatividade em suas contas, que pode ser de 3, 6 ou 12 meses.

"Esperamos que isso permita a você planejar sua pós-vida digital, protegendo sua privacidade e segurança e facilitando a vida de seus entes queridos após sua partida," disse a empresa em seu blog.

A companhia ressaltou que, antes de apagar os dados, enviará uma mensagem comunicando isso a endereços de e-mail secundários dos usuários.

Queda na venda de PCs

Embora não seja uma questão de morte, a queda no ritmo econômico está impactando o mercado de computadores pessoais de maneira fulminante.

As vendas globais de PCs caíram 14% no primeiro trimestre de 2013 - a maior queda desde 1994, quando a empresa de pesquisas IDC começou a mensurar esse mercado.

O IDC diz que a nova versão do Windows não foi capaz de revitalizar a indústria. A Microsoft ainda não comentou essa avaliação.

Para o professor Fabrizio Carmignani, da Universidade Griffith, a Terceira Revolução Industrial - esta que estamos vivendo, baseada em computadores, web e comunicação móvel - gerou um aumento na produtividade muito menor do que a Segunda Revolução Industrial.

Consequentemente, o crescimento econômico começou a diminuir. Ele estima que, a médio prazo, por falta de inovações tecnológicas, o crescimento econômico deixará de existir. Veja mais detalhes de sua teoria na reportagem:

O Fórum Econômico Mundial, por sua vez, é mais otimista, e até listou as 10 tecnologias que podem salvar a economia mundial.





Outras notícias sobre:

Mais Temas