Plantão

Microsoft cria centro para construir computador quântico

Microsoft cria centro para construir computador quântico
O desenvolvimento do hardware dos computadores quânticos está dando seus primeiros passos.[Imagem: University of Waterloo]

Windows Q

Seguindo os caminhos da IBM e Google, a Microsoft decidiu entrar para valer na corrida para a construção de um computador quântico.

Embora o hardware nunca tenha ocupado uma posição de peso no portfólio da empresa, o fato é que ninguém sabe ainda como serão os programas que rodarão nos computadores quânticos, de forma que o único meio de descobrir isto é construindo o seu próprio equipamento.

Assim, se pretende um dia lançar um "Windows Q", a Microsoft primeiro precisa ajudar a construir o hardware onde ele irá rodar.

Para isso, a empresa assinou um contrato de "investimento de multi-milhões de dólares" - os números exatos não foram anunciados - com a Universidade de Copenhague, na Dinamarca, um dos centros mais avançados do mundo nas pesquisas em computação quântica.

O objetivo, segundo a nota da empresa, é "um acordo de colaboração de longo prazo para o desenvolvimento de um computador quântico escalável de propósito geral".

Transformar conhecimento em realidade tangível

Atualmente, cerca de uma dúzia de funcionários da Microsoft já estão atuando na Universidade de Copenhague. Com o novo acordo, o tamanho dessa equipe crescerá bastante.

Além do investimento de vários milhões de dólares em instalações e equipamentos de última geração, a Microsoft também se comprometeu em financiar pesquisas quânticas fundamentais em andamento na Universidade de Copenhague.

De acordo com o anúncio, a tarefa dos funcionários da Microsoft será "transformar o conhecimento adquirido pelos pesquisadores em realidade tangível", criando o primeiro computador quântico escalável.

A empresa já possui outras unidades de pesquisas envolvendo tecnologias quânticas, embora sem um propósito prático tão claro como o anunciado agora. As chamadas "Estações Q" estão instaladas na Universidade de Purdue (EUA), Universidade de Tecnologia de Delft (Holanda) e na Universidade de Sydney (Austrália).





Outras notícias sobre:

Mais Temas