Plantão

Nobel de Física vai para aceleração da expansão do Universo

Nobel de Física vai para aceleração da expansão do Universo
A se acreditar na teoria que rendeu o Prêmio Nobel de Física de 2011, o Universo vai acabar em frio.[Imagem: Wikimedia]

Fim do Universo

"Alguns dizem que o mundo vai acabar em fogo, outros dizem que ele vai acabar em gelo. Qual será o destino do Universo? Provavelmente ele vai acabar em gelo, pelo menos se acreditarmos nos ganhadores deste ano do Nobel de Física."

É com este texto que começa o anúncio oficial da concessão do Prêmio Nobel de Física de 2011.

O prêmio foi concedido a Saul Perlmutter, Brian Schmidt e Adam Riess, todos norte-americanos, pelos trabalhos que demonstram a aceleração da expansão do Universo.

Expansão acelerada

Primeiro Einstein e muitos outros acharam que o Universo era estático. Depois Georges Lemaitre descobriu que ele estava se expandindo. Vieram então os três e afirmaram que o Universo não apenas está se expandindo, mas que essa expansão está aumentando de velocidade.

Ora, se o Universo continuar nesse ritmo de expansão acelerada, um dia, em um futuro muito distante, todos os corpos celestes estarão tão longes uns dos outros que não haverá mais acúmulo de material capaz de formar estrelas.

Então, as estrelas que existem morrerão e o Universo finalmente acabará em gelo - é a esse prognóstico que o Comitê do Nobel se refere, embora fosse mais correto falar em frio, uma vez que, nesse modelo, provavelmente não existirá gelo.

A descoberta foi feita em 1998 por dois grupos, o primeiro chefiado por Saul Perlmutter e o segundo chefiado por Brian Schmidt - o Comitê do Nobel afirmou que Adam Riess "desempenhou um papel crucial" no trabalho deste segundo grupo.

Supernovas

Os três cientistas estudaram dezenas de supernovas, estrelas de grande massa que explodem no final de suas vidas.

Eles observaram um tipo particular desses fenômenos, chamados supernova Ia, uma explosão de uma velha estrela muito compacta, do tamanho da Terra, mas tão pesada quanto o Sol. Uma explosão dessas pode emitir tanta luz quanto uma galáxia inteira.

O trio encontrou 50 supernovas distantes cuja luz era mais fraca do que previam as então vigentes teorias da expansão do Universo - este foi o sinal de que a expansão do Universo estaria se acelerando.

Para explicar essa aceleração foi levantada a hipótese de uma forma de energia ainda desconhecida, que impulsiona cada vez mais a expansão do Universo.

Essa forma de energia foi chamada de energia escura - até hoje os cientistas não conseguiram uma explicação para o que ela seria, mas calculam que a energia escura funciona como uma espécie de "antigravidade", mais do que contrabalançando o efeito da gravidade da matéria comum (bariônica) e da matéria escura.

A matéria escura, por sua vez, outra entidade igualmente desconhecida, é necessária para explicar porque as galáxias mantêm-se coesas, não arremessando suas estrelas espaço afora, mesmo girando à velocidade que giram.

Pontos de vista

Recentemente, dois astrônomos brasileiros contestaram a teoria da aceleração da expansão do Universo:

Outra crítica levantada à premiação é o fato de que não foram apenas os três premiados que fizeram as descobertas - cada uma das equipes tinha cerca de 20 cientistas. Mas a Fundação Nobel não dá o prêmio para equipes, preferindo reconhecer apenas o trabalho do líder da equipe.





Outras notícias sobre:

Mais Temas