Energia

Biomaterial surpreende ao gerar eletricidade "fora da curva"

Biomaterial surpreende ao gerar eletricidade
Além de ser um material barato e biodegradável, a glicina gerou eletricidade "fora da curva".[Imagem: Sarah Guerin et al. - 10.1038/nmat5045]

Piezoeletricidade biológica

Uma descoberta surpreendente abriu novos caminhos para a colheita de energia, a geração de eletricidade a partir do meio ambiente em quantidade suficiente para alimentar pequenos aparelhos portáteis.

Sarah Guerin, da Universidade de Limerick, na Irlanda, descobriu que a biomolécula glicina gera uma quantidade substancial de eletricidade quando é pressionada ou comprimida - ou seja, essa biomolécula possui um tipo de piezoeletricidade.

A glicina é o mais simples dos aminoácidos. Além de estar presente em praticamente todos os resíduos agrícolas e florestais, ela pode ser produzida por menos de 1% do custo dos materiais piezoelétricos usados atualmente nos chamados nanogeradores.

Os materiais piezoelétricos geram eletricidade em resposta à pressão, e vice-versa. Eles são amplamente utilizados em carros, celulares e consoles de jogos. Ao contrário da glicina, esses materiais são normalmente sintéticos e muitas vezes contêm elementos tóxicos em sua composição.

"É realmente emocionante que uma molécula tão pequena possa gerar tanta eletricidade," disse Sarah. "Nós usamos modelos de computador para prever a resposta elétrica de uma ampla gama de cristais e o número alcançado pela glicina ficou fora dos gráficos. A seguir, crescemos cristais longos e estreitos de glicina no álcool e produzimos eletricidade apenas tocando neles."

A equipe correu para patentear sua descoberta e agora está pensando em aplicações adequadas para geradores elétricos biodegradáveis - as aplicações médicas estão no topo da lista de interesse.

Bibliografia:

Control of piezoelectricity in amino acids by supramolecular packing
Sarah Guerin, Aimee Stapleton, Drahomir Chovan, Rabah Mouras, Matthew Gleeson, Cian McKeown, Mohamed Radzi Noor, Christophe Silien, Fernando M. F. Rhen, Andrei L. Kholkin, Ning Liu, Tewfik Soulimane, Syed A. M. Tofail, Damien Thompson
Nature Materials
DOI: 10.1038/nmat5045




Outras notícias sobre:

Mais Temas