Materiais Avançados

Pó de café usado vira material luminescente para Medicina

Pó de café usado vira material luminescente para Medicina
Além de usar o pó preto de café para produzir um material que emite diversas cores, os pesquisadores afirmam que sua pesquisa é uma vitória da química verde. [Imagem: Hsu et al./Green Chemistry]

Reciclagem high-tech

Pesquisadores da Universidade Nacional de Taiwan usaram pó de café usado como matéria-prima para criar nanopartículas luminescentes.

Essas nanopartículas, ou nanopontos luminescentes, têm uma ampla gama de usos, da optoeletrônica às células solares, mas destacam-se sobretudo na geração de imagens de tecidos biológicos.

O problema é que os pontos quânticos fotoluminescentes atuais são feitos com cádmio e selênio, materiais altamente tóxico para os tecidos vivos.

Pontos quânticos de carbono

Pin-Che Hsu e seus colegas criaram então os nanopontos de carbono, ou C-dots, que são totalmente biocompatíveis, têm boa estabilidade química e um ótimo rendimento quântico, o que significa que eles emitem luz com boa eficiência.

O mais interessante é que, em vez dos complicados e caros banhos químicos usados para fabricar os pontos quânticos normais, os cientistas pouco mais fizeram do que moer e separar o pó de café já usado.

Pó de café usado vira material luminescente para Medicina
Os pontos quânticos de pó de café foram usados para gerar esta imagem de células vivas. [Imagem: Hsu et al./Green Chemistry]

"A borra de café usado foi seca em um forno a 110°C antes de ser submetida à moagem em uma granulometria fina. Depois de calcinado a 300°C por 2 horas em ar, o pó carbonizado foi resfriado e disperso em etanol," escrevem os pesquisadores.

E os nanopontos luminescentes estavam prontos, bastando ser separados por centrifugação, para descartar as partículas maiores restantes.

"Os pontos quânticos de carbono assim preparados têm um diâmetro médio de 5 nanômetros, com um rendimento quântico de 3,8%, afirmam.

Ciência colorida

O material biocompatível foi testado gerando imagens de células vivas para detectar a angiotensina I, um peptídeo que causa a contrição dos vasos sanguíneos, podendo levar à hipertensão.

Além de usar o pó preto de café para produzir um material que emite diversas cores, os pesquisadores afirmam que sua pesquisa é uma vitória do promissor campo da química verde.

Bibliografia:

Synthesis and analytical applications of photoluminescent carbon nanodots
Pin-Che Hsu, Zih-Yu Shih, Chia-Hsin Lee, Huan-Tsung Chang
Green Chemistry
01 Mar 2012
Vol.: First published on the web
DOI: 10.1039/C2GC16451E




Outras notícias sobre:

Mais Temas