Meio ambiente

Revestimento controla o calor dentro de uma sala

Revestimento controla o calor dentro de uma sala
A equipe calcula que haveria uma economia de 35% na conta de energia de um edifício que use o material em suas paredes.[Imagem: Darkwa/Zhou/Elsevier]

Material de alteração de fase

Cientistas chineses criaram um novo material capaz de reter e liberar calor em temperaturas pré-estabelecidas.

A descoberta poderá gerar uma grande economia nos sistemas de aquecimento e ar-condicionado, os principais responsáveis pelas altas contas de energia sobretudo dos prédios comerciais.

O novo revestimento, que poderá ser usado tanto em prédios novos quanto em prédios já construídos, é chamado de material de alteração de fase, sendo capaz de armazenar energia sem qualquer deformação.

Se, por exemplo, a temperatura ótima desejada em uma sala é de 22°C, o material pode ser configurado para começar a absorver qualquer excesso de calor que tenda a fazer com que a temperatura supere esse nível.

Quando a temperatura cai abaixo do nível estabelecido, o material começa a liberar o calor.

Redução do excesso de calor

O professor Jo Darkwa, da Universidade Nottingham Ningbo, na China, afirma que o material pode ser fabricado na forma de placas, folhas, papel de parede e até em pó, pronto para ser aplicado na forma de spray.

Além do material de alteração de fase (alumínio/hexadecano), os pesquisadores usaram o PVA (acetato polivinílico) como elemento de ligação e sustentação.

A temperatura a ser mantida deve ser estabelecida no processo de fabricação.

"O material não torna os aparelhos de ar-condicionados obsoletos porque você continuará precisando deles para controlar a umidade e o movimento do ar. Este material unicamente reduz o excesso de calor em uma sala," diz o professor Darkwa.

Ainda assim, a equipe calcula que haveria uma economia de 35% na conta de energia de um edifício que use o material em suas paredes.

Bibliografia:

Enhanced laminated composite phase change material for energy storage
Jo Darkwa, Tony Zhou
Energy Conversion and Management
Vol.: 52 (2011) 810-815
DOI: 10.1016/j.enconman.2010.08.006




Outras notícias sobre:

Mais Temas