Plantão

Satélite geoestacionário brasileiro entra em fase de testes

Satélite geoestacionário brasileiro entra em fase de testes
Os testes do SGDC incluem de variações de temperatura e sacudidelas até testes de comunicação. [Imagem: FAB]

Testes no solo

O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) entrou em sua fase final de testes pré-lançamento, e os técnicos se preparam para controlar o equipamento que vai levar banda larga a todo o País e garantir comunicação segura ao governo brasileiro.

Com 5,8 toneladas e cinco metros de altura, o satélite deverá ser lançado no segundo semestre de 2016 por um foguete Ariane, a partir do Centro Espacial de Kourou na Guiana Francesa.

O primeiro teste do satélite, iniciado em março, foi o térmico: o equipamento foi colocado em uma câmara de vácuo e submetido a temperaturas entre -100 °C a 125 °C para simular as condições encontradas no espaço.

Em abril, o SGDC foi posto sobre um suporte que o fez vibrar, simulando as condições de lançamento.

Em junho e julho está sendo conduzida a campanha de testes de comunicações. Dentro de uma câmara anecoica, que não reflete as ondas de rádio, estão sendo avaliadas a qualidade do sistema e das antenas responsáveis por transmitir e receber os sinais.

Satélite geoestacionário brasileiro entra em fase de testes
Antena de comunicação com o primeiro satélite geoestacionário brasileiro. [Imagem: FAB]

Bandas Ka e X

Quando for ao espaço, O SGDC ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra, cobrindo o território brasileiro e o oceano Atlântico.

De lá, o satélite vai se comunicar com uma antena de 18 metros de altura, 13 metros de diâmetro e 42 toneladas, localizada em Brasília (DF). Uma segunda antena, em um centro de controle secundário, ficará no Rio de Janeiro (RJ).

Por meio da banda Ka, o SGDC terá capacidade para tramitar 54 gigabits por segundo, sendo considerado pelo Governo Federal como prioritário para expandir o acesso à banda larga em regiões remotas do país. Ao mesmo tempo, por meio da banda X, o satélite será utilizado para transmissões militares.

O projeto, uma parceria entre os ministérios da Defesa, das Comunicações e da Ciência, Tecnologia e Inovação, teve um investimento da ordem de R$ 1,7 bilhão. A expectativa é entrar em serviço no início de 2017, após um período de ajustes, e permanecer ativo durante quinze anos.





Outras notícias sobre:

Mais Temas