Informática

Tecnologia traduz conteúdo para novo protocolo da internet

Tecnologia traduz conteúdo em IPv4 para IPv6
Pesquisadores espanhois criaram uma tecnologia que permite que os computadores que utilizarem o novo protocolo IPv6 possam entender os dados atuais, em máquinas com IPv4.[Imagem: UC3M]

Incompatibilidade de protocolos

O protocolo que qualquer aparelho utiliza para se conectar a Internet, o IPv4 (Internet Protocol versão 4), tem um problema: devido ao grande crescimento da web, todos os seus endereços estão prestes a se esgotar.

Segundo os especialistas, a solução está no IPv6, um protocolo que está nas fases iniciais de implementação, e do qual se espera que, eventualmente, possa substituir seu antecessor.

No entanto, há outro problema: os dois protocolos são incompatíveis.

"As máquinas que só têm IPv6 não podem se comunicar com aquelas que têm apenas o IPv4, o que é o caso da maioria daquelas que estão sendo usadas para se conectar à internet hoje, e vice-versa", explica Marcelo Bagnulo, da Universidade Carlos III, de Madri, na Espanha.

Mas ele e seu grupo afirmam ter achado uma solução para esse problema.

Tradução IPv4 x IPv6

O objetivo do grupo era o de tornar possível para as máquinas que, no futuro, se conectem à internet usando endereços IPv6, possam acessar o conteúdo anterior, que continuará no IPv4.

Para fazer isso, os cientistas criaram tradutores que permitem que os dois protocolos compreendam todos os conteúdos.

Os tradutores se baseiam em duas tecnologias, chamadas NAT64 e DNS64, padrões utilizado pelos grandes fabricantes de roteadores e pelos vendedores de serviços de DNS, que fazem a conversão entre nomes de domínio e números de IP.

"Nós projetamos e padronizamos essas ferramentas de transição, que têm sido adotadas pela indústria e que agora estão disponíveis comercialmente", afirma Marcelo Bagnulo.

"É relativamente fácil inventar um novo protocolo, mas é extremamente difícil projetar um que seja realmente adotado e utilizado, uma vez que a padronização é um passo importante para a futura utilização de uma tecnologia", gaba-se o pesquisador.

O trabalho foi aceito pela IEEE Communications e agora o mercado dirá se o pesquisador conseguiu seu intento.

Pagar pelo congestionamento

Outra proposta apresentada pelo grupo é chamada CONEX, que permite que o usuário seja cobrado pelo volume de congestionamento que ele gera na rede, e não pela quantidade de tráfego que ele usa.

É como aplicar à internet o modelo de gestão utilizado na fixação de preços de passagens aéreas, segundo eles.

Ou seja, se há um grande número de pessoas que querem enviar os dados ao mesmo tempo, elas pagam mais, e vice-versa.

"Atualmente, o que acontece é que todos os usuários pagam os mesmos preços, de forma que eles usam a internet indiscriminadamente, sem considerar o peso do pacote, o que significa que o prestador de serviços deve arbitrariamente rejeitar pacotes," explica o professor Bagnulo.

Ele se refere ao fato de que a camada que decide a rota que um dado - um pacote - deve seguir é diferente daquela que verifica o congestionamento das diversas rotas - as colisões da rede. Quando há colisões demais, o dado é perdido, e o usuário tem que tentar de novo.





Outras notícias sobre:

Mais Temas