Informática

Sistema imunológico artificial vai criar chips tolerantes a falhas

Ilustração para demonstrar o conceito bio-inspirado do sistema imunológico artificial.[Imagem: Univ.York]

Pesquisadores ingleses estão se inspirando no funcionamento do sistema imunológico humano para construir chips capazes de se autodiagnosticar e corrigir suas próprias falhas sem a necessidade de qualquer intervenção externa.

Batizado de Sabre - Self-healing cellular Architectures for Biologically-inspired highly Reliable Electronic systems: Arquiteturas celulares autocurativas para sistemas eletrônicos de alta confiabilidade biologicamente inspirados - o projeto está sendo conduzido por especialistas de quatro universidades.

Sistemas eletrônicos de alta confiabilidade

Apesar da alta confiabilidade alcançada pela indústria eletrônica atual, com um número mínimo de relatos de falhas de sistemas ocasionadas por defeitos no hardware, a disseminação dos sistemas eletrônicos está exigindo cuidados adicionais com equipamentos que lidam diretamente com a vida humana, entre os quais os sistemas embarcados em aviões, carros e prédios.

Nestes casos, uma falha quase nunca dará tempo para que os engenheiros possam diagnosticá-la e corrigi-la antes que ela cause danos muito sérios. O ideal, nessas condições, é que o próprio hardware detecte a falha e tome medidas para que o equipamento funcione adequadamente mesmo sem a parte que apresentou defeito.

Sistema imunológico artificial

Estudando como o sistema imunológico humano funciona, os pesquisadores estão construindo uma estrutura de "células" capazes de funcionar de maneira integrada e coordenada para defender a integridade do sistema e garantir que os programas possam rodar sem falhas. Eles estão criando um verdadeiro sistema imunológico artificial inteiramente eletrônico.

Sistemas tolerantes a falhas

Já existem sistemas tolerantes a falhas no mercado, mas todos funcionam pela duplicação de todo o sistema ou de uma parte dele. Quando ocorre uma falha, o sistema muda para o backup ou passa a rodar de forma simplificada em um subsistema menor.

"Entretanto, os organismos vivos altamente complexos, como o corpo humano, são capazes de lidar com defeitos em um nível muito mais baixo, no nível das células, defendendo todo o sistema por meio do reparo das células, mantendo desta forma a funcionalidade normal," explica o Dr. Tony Pipe, um dos coordenadores da pesquisa.

"O corpo humano é tanto confiável quanto complexo. É esta capacidade que nós queremos replicar nos sistemas eletrônicos. Estudando a estrutura multicelular dos organismos vivos e seus sistemas imunológicos protetores nós esperamos ser capazes de projetar arquiteturas 'tipo natural' tolerantes a falhas para sistema eletrônicos. Esta pesquisa tem o potencial para influenciar a forma como os sistemas eletrônicos complexos serão projetados no futuro, criando uma nova geração de sistemas eletrônicos que serão tolerantes a falhas e autocurativos," conclui o pesquisador.

Com previsão para durar três anos, o projeto Sabre pretende criar uma nova plataforma que poderá ser utilizada em aviões, sistemas de frenagens antitravamento de veículos, robôs espaciais e satélites artificiais, assim como no controle de processos industriais e nos sistemas de desligamento automático de redes de computadores.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas