Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Meio ambiente

Brasil fará investimentos para combater aquecimento global

Agência FAPESP - 28/12/2006


A FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos deverá aplicar cerca de R$ 80 milhões, até 2009, em projetos que proporcionem a redução do efeito estufa e, conseqüentemente, do aquecimento global, divulgou a instituição.

O investimento integra o Programa de Apoio a Projetos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (Pró-MDL), lançado pela recentemente pela Finep. O programa está inserido no contexto das metas aprovadas pelo Protocolo de Kyoto, acordo internacional implementado em fevereiro de 2005 para combater a emissão de gases poluentes na atmosfera

Segundo a empresa, o Pró-MDL possui duas modalidades de financiamento: a de recursos reembolsáveis, que apóia projetos de pré-investimento ao desenvolvimento tecnológico de soluções; e não-reembolsáveis, que pressupõe a cooperação entre empresas e instituições científicas e tecnológicas.

A segunda modalidade tem uma linha voltada para a criação de novas tecnologias e outra focada na pesquisa de metodologias de linha de base, cálculo de emissões e monitoramento. A modalidade tem regime de fluxo contínuo, não dependendo de lançamento de edital, e visa complementar as atividades de financiamento reembolsável, segundo divulgou a Finep.

No comércio de emissões as Reduções Certificadas de Emissões (RCE's), medidas em tonelada métrica de dióxido de carbono, são negociadas como numa bolsa de valores. Os créditos de carbono são cedidos pelas agências de proteção ambiental reguladoras aos países que comprovadamente reduziram a emissão do poluente por meio de um projeto MDL, que pode ser um programa de reflorestamento ou de desenvolvimento de energias alternativas.

As RCE's adquiridas são vendidas para as nações interessadas em emitir CO2, mas ultrapassaram a cota estabelecida. Em geral, uma instituição interessada em executar um projeto de desenvolvimento limpo se alia a uma entidade financeira internacional, que recebe as RCE's em troca da liberação de recursos. No caso do Pró-MDL, a Finep não cobra os créditos de carbono, liberando as empresas nacionais para negociar as RCE's no momento que acharem mais interessante.

Seguir Site Inovação Tecnológica no Google Notícias





Outras notícias sobre:
  • Impactos sobre o Meio Ambiente
  • Monitoramento Ambiental

Mais tópicos