Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Meio ambiente

Cientista vê interesse político em conclusões sobre aquecimento global

Agência Brasil - 12/07/2007


Além de questionar as conclusões do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, em inglês), o professor Luiz Molion, PhD em meteorologia, afirma que as projeções podem ter sofrido pressões políticas de governos de países desenvolvidos, como Alemanha e Inglaterra, preocupados com o crescimento de países em desenvolvimento, como o Brasil, que dispõem de maiores reservas naturais para geração de energia, por exemplo. Por isso, teriam interesse em superdimensionar o problema climático.

A quem interessa o aquecimento global?

"A quem interessa o aquecimento global? É uma pergunta que tem de ser feita. É difícil responder, mas pode estar embutido um esquema urdido pelos países ricos para impedir o crescimento dos países em desenvolvimento", sugere.

O pesquisador Carlos Nobre, integrante do IPCC, responde de forma direta. "Os governos indicam vários nomes de cientistas, mas o painel é independente, não tem representantes de governos. E só entram no IPCC cientistas com muita credibilidade e que sejam atuantes na área de mudanças climáticas. Não existe ?achismo? no IPCC, tudo está muito bem embasado e não entramos em aspectos políticos".

Aprovação política ou científica?

No entanto, ele diz também que cada documento "[...] passa por uma revisão da comunidade científica mundial, além de uma sessão final em que os representantes de governos aprovam o texto final."

A secretária nacional de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental, Thelma Krug, acha impossível um relatório elaborado por "500 pessoas" ter esse viés político. Ela afirma que todos os governos tiveram o mesmo peso e que as discussões foram "muito intensas".

Conhecimento global

Krug reconhece que o IPCC não faz pesquisa, apenas "aglutina conhecimento já existente". E que esse conhecimento é produzido majoritariamente nos Estados Unidos e na Europa. E que o próprio relatório menciona que a questão da coleta de dados é mais limitada nos países em desenvolvimento. Mas diz haver mecanismos para compensar o degrau científico e tecnológico entre os países ricos e os demais.

O IPCC, diz ela, procura assegurar o equilíbrio geográfico e regional através do processo de seleção de cientistas. "Não que o número seja igual de país para país, mas tenta-se fazer um balanço". Além disso, custeia a participação de cientistas dos países mais pobres através do trust fund, enquanto aqueles dos países ricos pagam a própria fatura. E o fato de serem "convidados" não provoca neles uma sensação de inferioridade e submissão? "Os cientistas não fazem normalmente esse discernimento, são de bom nível".







Outras notícias sobre:
  • Impactos sobre o Meio Ambiente
  • Monitoramento Ambiental
  • Reciclagem e Reaproveitamento

Mais tópicos