Mecânica

Ônibus espacial vai auxiliar bombeiros

Ônibus espacial vai auxiliar bombeiros

Que a água apaga o fogo ninguém duvida. Mas a forma de lançar a água sobre as chamas pode fazer uma grande diferença. Tanto que o próximo vôo do ônibus espacial Colúmbia, previsto para ser lançado no próximo dia 16, levará um experimento que visa encontrar uma forma de substituir os danosos compostos químicos e os volumosos jatos d'água utilizados para apagar incêndios, que geralmente danificam quase tanto quanto o próprio fogo.

"A indústria de combate a incêndios está em busca de uma nova ferramenta que não utilize os perigosos químicos ou combata o fogo com enormes quantidades de água que causam grandes danos às propriedades," disse Mark Nall, diretor de desenvolvimento de produtos da NASA. "Levando este experimento comercial na missão Colúmbia, a NASA está ajudando a indústria a projetar um sistema de combate a incêndios de baixo custo e ambientalmente correto."

Até recentemente, o combate ao fogo com agentes químicos era feito a partir de agentes halogenados, compostos químicos à base de bromo. O combate ao fogo com químicos é exigido em locais onde a água não pode ser utilizada, como em instalações elétricas, de computação, bibliotecas ou arquivos de documentos etc.Mas esse material foi praticamente banido, por ser danoso à camada de ozônio. O experimento levado a borda da Colúmbia irá justamente buscar um substituto para os agentes halogenados.

"O ônibus espacial irá testar um dispositivo semelhante a um umidificador, que produz gotas d'água de cerca de 20 micra de diâmetro," disse o Dr. Angel Abbud-Madrid, cientista da NASA. "Isto é cerca de um décimo do diâmetro de um fio de cabelo humano, em contrapartida a gotas produzidas por aspersores convencionais, que medem cerca de um milímetro, ou cerca de 50 vezes maiores do que nossas gotas."

Sistemas de aspersão de água criam uma névoa e não jatos d'água. A névoa absorve calor e substitui o oxigênio quando a água evapora, evitando a propagação do fogo. Isto é particularmente importante quando o fogo se localiza em um compartimento fechado de um navio, avião ou mesmo no ônibus espacial.

Talvez pareça um exagero pesquisar-se a melhor forma de se construir um aspersor de água a bordo do ônibus espacial. Para entender o que está envolvido, contudo, basta ver que a indústria de equipamentos de combate a incêndio movimenta cerca de US$2 bilhões de dólares ao ano apenas nos Estados Unidos. E a legislação e o público pressionam no sentido da adoção de práticas ambientalmente corretas.


O teste do sistema no espaço deve-se ao fato de que é mais fácil observar-se a interação entre a chama e a água ou, como preferem os cientistas, a física do fogo, na ausência de gravidade. Na Terra, a força da gravidade faz com que o ar quente, mais leve, suba, gerando correntes de ar que dificultam a observação sobre como exatamente a água interage com a chama para apagá-la. Esse fenômeno, chamado convecção, faz com que as chamas tenham o formato alongado. Ao subir, o ar quente situado no alto da chama cria uma área de pressão mais baixa, que faz com que a chama espiche para cima. No espaço, porém, sem o efeito da convecção, a chama forma um domo perfeito.

Experimentos preliminares dão indicações de que possa ser necessário apenas um décimo da água hoje utilizada para efetivamente apagar as chamas de um incêndio.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas