Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Energia

<i>Especial Armazenar o vento</i>: Bateria Orgânica

Redação do Site Inovação Tecnológica - 25/11/2015

Armazenar o vento: Bateria Orgânica
O primeiro protótipo é pequeno, mas sua robustez (10.000 ciclos) entusiasmou a equipe a construir uma versão maior.
[Imagem: Anne Guenther/FSU]

Bateria orgânica

Uma equipe de pesquisadores da Universidade Friedrich Schiller de Jena, na Alemanha, desenvolveu um sistema que usa polímeros orgânicos e uma solução salina inofensiva para armazenar energia.

O sistema é voltado para o armazenamento temporário de fontes intermitentes de energia, como a solar e a eólica, que geram energia demais num momento, e de menos em outro.

"O que é novo e inovador na nossa bateria é que ela pode ser fabricada a um custo muito menor, e quase atinge a capacidade dos sistemas tradicionais que usam ácidos e metais," disse o professor Martin Hager, coordenador da equipe.

Durante um longo tempo, as baterias de fluxo - também conhecidas como sistemas redox - foram desenvolvidas utilizando o metal vanádio dissolvido em ácido sulfúrico como eletrólito. Ocorre que o vanádio é extremamente caro, e o ácido sulfúrico altamente corrosivo.

Bateria redox sem ácidos

Nesta bateria redox construída pela equipe alemã, são utilizados materiais sintéticos. A estrutura central lembra o isopor (poliestireno), no qual grupos funcionais foram adicionados para permitir que o material aceite ou doe elétrons.

Especial Armazenar o Vento

Armazenar o vento: Tecnologias para serem levadas a sério

Bateria Orgânica

Bateria de fluxo térmica

Bateria Orgânica com Água

Bateria de fluxo de lítio

Os polímeros literalmente "nadam" em uma solução aquosa, sem necessidade de ácidos agressivos.

"Assim, conseguimos usar uma membrana de celulose simples e barata e evitar materiais tóxicos e caros," disse Tobias Janoschka, principal projetista do sistema.

Nos primeiros testes, a bateria redox de fluxo suportou 10.000 ciclos de carga e descarga com uma perda mínima de capacidade.

A densidade de energia do protótipo chegou a 10 Watts-hora por litro. A equipe afirma já estar trabalhando em uma versão maior e mais eficiente.

Bibliografia:

Artigo: An aqueous, polymer-based redox-flow battery using non-corrosive, safe, and low-cost materials
Autores: Tobias Janoschka, Norbert Martin, Udo Martin, Christian Friebe, Sabine Morgenstern, Hannes Hiller, Martin D. Hager, Ulrich S. Schubert
Revista: Nature
Vol.: 527, 78-81
DOI: 10.1038/nature15746






Outras notícias sobre:
  • Baterias
  • Fontes Alternativas de Energia
  • Geração de Energia
  • Células a Combustível

Mais tópicos