Plantão

Com tecnologia, pinhão-manso supera em três vezes a soja na fabricação de biodiesel

Com tecnologia, pinhão manso supera em três vezes a soja na fabricação de biodiesel
Com uma produtividade potencial três vezes maior que a da soja, o pinhão manso necessita de modificações para que possa se adaptar às diversas regiões do país e para que deixe de ser tóxico.[Imagem: Embrapa]

Possibilidades e desafios

O pinhão-manso é uma matéria-prima que pode ser usada em escala industrial para a extração de óleo destinado à fabricação de biodiesel, ainda que algumas de suas características precisem ser melhoradas.

Com uma produtividade potencial três vezes maior que a da soja, o pinhão-manso necessita de modificações para que possa se adaptar às diversas regiões do país e para que deixe de ser tóxico.

A necessidade de um estudo específico sobre a espécie foi apresentada durante o 1º Congresso de Brasileiro de Pesquisa em Pinhão-manso, promovido pelo Ministério da Agricultura, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Associação Brasileira dos Produtores de Pinhão-manso (ABPPM).

O encontro reuniu pesquisadores, técnicos, professores e estudantes na semana passada, em Brasília.

Domesticar o pinhão-manso

A principal meta científica é domesticar a oleaginosa para que ela possa ser usada na nutrição animal. Além disso, é preciso torná-la resistente a pragas e tornar a colheita uniforme.

Atualmente, a produção da oleaginosa no Brasil ocupa cerca de 60 mil hectares de área plantada. De acordo com o diretor-técnico da ABPPM, Luciano Piovesan, a cultura do pinhão-manso não é excludente nem exclusiva. "É uma planta que inclusive recupera áreas degradadas do solo."

Plantas para biocombustíveis

O interesse em investimento em pinhão-manso ocorre porque ele é rico em óleo e gordura e, portanto, tem potencial fonte de fabricação de biocombustíveis, de acordo com o especialista.

O Brasil precisa alcançar a meta proposta para o chamado B5, o plano divulgado em outubro pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva que prevê a adição de 5% do biocombustível ao diesel consumido no país. Para isso, porém, o Brasil precisa produzir 2,4 bilhões de biodiesel.

Hoje, a maior parte dessa demanda provém principalmente da soja, do girassol, amendoim, da mamona, do algodão, da canola e do dendê. "O programa do biodiesel do Brasil requer uma grande demanda de óleo. Isso significa que estamos tomando dessas espécies tradicionais", explica o chefe da Embrapa Agroenergia, Frederico Durães.

Segundo Durães, o Brasil cultiva 22 milhões de hectares para produzir 60 milhões de toneladas de soja anualmente. "A operacionalidade da semente da soja é alta, pois apresenta em sua constituição 18% de óleo e isso faz com que ela gere 550 quilos por hectare", explica Durães.

Segundo ele, isso tudo foi possível graças aos anos de estudo destinados à soja e por isso a importância de pesquisar os benefícios do pinhão-manso.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas