Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Meio ambiente

Descobertas estruturas gigantescas nas profundezas da Terra

Redação do Site Inovação Tecnológica - 15/06/2020

Descobertas estruturas gigantescas nas profundezas da Terra
Os sismogramas registram ecos das ondas sonoras geradas pelos terremotos à medida que essas ondas viajam ao longo da fronteira do núcleo com o manto, difratando e curvando-se em torno de estruturas rochosas densas.
[Imagem: Doyeon Kim/Maryland]

Estruturas entre o núcleo e o manto

Geofísicos da Universidade de Maryland, nos EUA, descobriram estruturas gigantescas no interior da Terra, a cerca de 2.900 quilômetros (km) de profundidade, entre o núcleo e o manto.

Doyeon Kim e seus colegas encontraram as estruturas analisando os registros de milhares de terremotos, grandes e pequenos. Os terremotos geram ondas sísmicas, que produzem ecos que revelam a estrutura e composição do material que percorreram até chegar à superfície.

Os dados indicaram zonas de rochas inesperadamente densas para sua elevada temperatura abaixo do Havaí e das Ilhas Marquesas, no Pacífico Sul.

Com cerca de 1.000 km de diâmetro e 25 km de espessura, elas foram batizadas de "zonas de velocidade ultrabaixa", em referência ao modo como as ondas sísmicas se propagam por essas regiões.

O que essas estruturas são é um mistério, apenas mais um de uma série de "desconhecimentos" sobre o inalcançável interior do nosso planeta.

Descobertas estruturas gigantescas nas profundezas da Terra
As ondas sísmicas viajam mais lentamente pelas estruturas, mas os geólogos ainda não imaginam o que elas possam ser.
[Imagem: Doyeon Kim/Maryland]

Ondas sísmicas

"Observando milhares de ecos na fronteira núcleo-manto de uma só vez, em vez de focar alguns de cada vez, como geralmente é feito, obtivemos uma perspectiva totalmente nova. Isso está nos mostrando que a região da fronteira núcleo-manto tem muitas estruturas que podem produzir esses ecos, e isso era algo que não tínhamos percebido antes, porque só tínhamos uma visão estreita," disse Kim.

A equipe analisou ecos gerados por um tipo específico de onda sísmica, conhecida como ondas de cisalhamento. Os ecos dessas ondas são difíceis de serem separados do ruído aleatório do planeta quando se olha um único terremoto. Por isso a equipe pegou emprestado um algoritmo de aprendizado de máquina originalmente desenvolvido para identificar tendências em grandes conjuntos de dados de astronomia.

"Encontramos ecos em cerca de 40% de todas as rotas das ondas sísmicas. Isso foi surpreendente, porque esperávamos que eles fossem mais raros, e o que isso significa é que as estruturas anômalas na fronteira do manto são muito mais difundidas do que se pensava anteriormente," disse o professor Vedran Lekic.

Saber se essas estruturas estão presentes em outras partes do planeta exigirá análises dos sismos de cada região.

Bibliografia:

Artigo: Sequencing seismograms: A panoptic view of scattering in the core-mantle boundary region
Autores: Doyeon Kim, Vedran Lekic, B. Ménard, D. Baron, M. Taghizadeh-Popp
Revista: Science
Vol.: 368, Issue 6496, pp. 1223-1228
DOI: 10.1126/science.aba8972





Outras notícias sobre:
  • Monitoramento Ambiental
  • Impactos sobre o Meio Ambiente
  • Corpos Celestes
  • Mineração

Mais tópicos