Plantão

Medida pela primeira vez a duração do dia de um exoplaneta

Medida pela primeira vez a duração do dia de um exoplaneta
A relação universal entre a massa e a velocidade de rotação dos planetas: este gráfico mostra as velocidades de rotação de vários planetas do Sistema Solar e do planeta Beta Pictoris b. [Imagem: ESO/I. Snellen (Leiden University)]

Rotação de um exoplaneta

Com o auxílio de observações obtidas com o telescópio VLT, no Chile, foi possível determinar pela primeira vez a taxa de rotação de um exoplaneta.

O planeta, chamado Beta Pictoris b, tem um dia que dura apenas 8 horas, um valor muito menor do que o observado em qualquer planeta no Sistema Solar.

Isso significa, por exemplo, que o equador do exoplaneta desloca-se a quase 100.000 quilômetros por hora - o equador de Júpiter tem uma velocidade de cerca de 47.000 quilômetros por hora, enquanto o da Terra viaja a apenas 1.674,4 quilômetros por hora.

Mas o mais importante do novo resultado é que ele permite estender aos exoplanetas a relação entre massa e rotação observada no Sistema Solar.

"Não sabemos porque é que alguns planetas giram mais depressa que outros," disse Remco de Kok, membro da equipe que fez a observação. "Mas esta primeira medição da rotação de um exoplaneta mostra que a tendência observada no Sistema Solar de que os planetas de maior massa giram mais depressa, pode aplicar-se de igual modo aos exoplanetas, o que nos leva a pensar que este efeito deve ser alguma consequência universal do modo como os planetas se formam".

Beta Pictoris b é um planeta muito jovem, com cerca de 20 milhões de anos (comparativamente, a Terra tem 4,5 bilhões de anos de idade). Com o passar do tempo, espera-se que o exoplaneta esfrie e encolha, o que fará com que ele gire ainda mais depressa.

Por outro lado, outros processos podem influenciar a variação da rotação de um planeta - por exemplo, a rotação da Terra está diminuindo com o tempo, em consequência das interações de maré com a nossa Lua.

Bibliografia:

Fast spin of the young extrasolar planet beta Pictoris b
Ignas A. G. Snellen, Bernhard R. Brandl, Remco J. de Kok, Matteo Brogi, Jayne Birkby, Henriette Schwarz
Nature
Vol.: 509, 63-65
DOI: 10.1038/nature13253




Outras notícias sobre:

    Mais Temas