Plantão

Empresários devem ser protagonistas da inovação, diz Ministro

Redação do Site Inovação Tecnológica - 21/03/2012

Dinheiro público

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, afirmou que a meta do governo é ampliar o investimento do país na área para 1,8% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2015.

Para isso, a expectativa é dobrar a participação do setor privado.

Atualmente o investimento é liderado pelo setor público, 0,61%, enquanto as empresas investem 0,55%.

"As empresas precisam ser mais protagonistas e investir mais," afirmou o ministro em coletiva à imprensa para comentar o manifesto publicado por entidades representativas da indústria brasileira e da comunidade científica preocupadas com a redução de recursos para ciência e tecnologia.

Debate

No encontro, os ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Educação, Aloizio Mercadante (que respondeu pela pasta até janeiro deste ano), saudaram o manifesto e sustentaram a importância do debate para estimular a inovação no país.

Ao explicar o corte de 23% no orçamento do ministério neste ano (de R$ 6,7 bilhões para R$ 5,2 bilhões), Raupp esclareceu que o montante não reflete a totalidade aplicada em C,T&I.

Ele citou, como exemplos não contabilizados, os recursos para crédito oferecidos às empresas por meio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), agência ligada ao MCTI, e os investimentos no programa Ciência sem Fronteiras, entre outros.

E vocês?

Segundo Raupp, a política pública de estímulo à inovação tem mecanismos para ajudar as empresas a serem protagonistas.

"A Finep executou R$ 4,7 bilhões no ano passado, beneficiando muitas empresas, e neste ano tem a previsão de investir R$ 6 bilhões. Isso tem que ser também contabilizado como esforço do governo para promover a inovação", disse.

Os ministros apontaram a realidade de outros países desenvolvidos, onde, diferentemente do Brasil, o setor privado é responsável por dois terços dos investimentos em ciência e tecnologia.

"Esse é um quadro que tem que mudar. Nós queremos que a inovação mude a sociedade e a competitividade das empresas, do setor produtivo. Isso é um esforço de toda a sociedade, não é só do governo", concluiu Raupp.

O ministro Mercadante ressaltou a inclusão da inovação na agenda empresarial e governamental.

Lembrou, como exemplos, da inclusão do termo "Inovação" no nome do Ministério da Ciência, Tecnologia teve e a incorporação de ciência, tecnologia e inovação ao Plano Plurianual (PPA) como prioridade estratégica nos programas de governo.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas