Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Espaço

Estrela mais brilhante da galáxia será visível da Terra

Com informações da BBC - 11/01/2019

Estrela mais brilhante da galáxia será visível da Terra
Eta Carinae, estrela mais luminosa da Via Láctea, perderá nuvem de poeira que hoje ofusca seu brilho quando vista da Terra.
[Imagem: Nasa/Nathan Smith/Berkeley]

Eta Carinae

Apesar de brilhar com a intensidade de cinco milhões de sóis, a estrela conhecida mais luminosa da Via Láctea, Eta Carinae, localizada a 7,5 mil anos-luz do Sistema Solar, não é visível a olho nu da Terra.

Isso não vai durar muito, no entanto. Um estudo liderado pelo astrônomo brasileiro Augusto Damineli, da Universidade de São Paulo (USP), indica que em breve, em pouco mais de 10 anos, a nuvem de poeira e gás que esconde Eta Carinae dos olhos nus dos terráqueos terá se dissipado e ela poderá ser vista em todo o seu brilho.

Sua luz se tornará duas vezes e meia maior do que atualmente é visível por telescópios.

A Eta Carinae tem sido, depois do Sol, a estrela a mais observada (por telescópios), fotografada e estudada do universo - ao menos pelos humanos. Mas também é uma das mais intrigantes e misteriosas.

Muito jovem, com apenas 2,5 milhões de idade, ou cerca 1,8 mil vezes mais nova que o Sol, ela é uma supergigante da raríssima classe das luminosas azuis (que têm uma temperatura mais quente), das quais se conhece apenas algumas dezenas.

Situada na constelação austral de Carina, à direita do Cruzeiro do Sul, Eta Carinae foi catalogada em 1677 pelo astrônomo Edmond Halley, mas só começou a chamar a atenção em 1843, quando uma grande erupção lançou ao espaço matéria equivalente à massa de dezenas de sóis. Como consequência, seu brilho aumentou tanto que Eta Carinae ficou visível durante meses durante o dia da Terra.

Em contrapartida, criou-se uma nebulosa em torno dela, com o formato de uma ampulheta ou lóbulos, chamada de Homúnculo, com 3 trilhões de quilômetros (4 meses-luz) de uma ponta a outra, que, junto com nuvens de poeira e gases, lançadas durante a mesma explosão, ofusca seu brilho em direção ao nosso planeta. Além desta, houve pelo menos duas outras erupções menores conhecidas, uma vista em 1250 e outra em 1890.

Em 2014, Damineli publicou um trabalho no qual ele criou um mapa 3D da nebulosa do Homúnculo.

Estrela mais brilhante da galáxia será visível da Terra
Este é um mapa 3D do Homúnculo, feito pela equipe.
[Imagem: IAG/USP/NASA Goddard Space Center/Ed Campion]

Aparece estrela, desaparece nebulosa

Desde então, muito se aprendeu sobre esse astro. Grande parte das descobertas recentes se deve a Damineli, entre elas a de que Eta Carinae é um sistema duplo, composto por dois astros.

Ele descobriu que a cada 5,5 anos a estrela sofre um pequeno "apagão" para quem a observa da Terra. Damineli concluiu que isso deve ocorrer porque o sistema é duplo e uma das estrelas, a menor, passa na frente da outra. Hoje, isso é um fato aceito por todos.

A estrela menor tem 30 vezes a massa do Sol e a maior, 90. "Se fosse colocada no lugar da nossa estrela, a superfície desta última estaria além da órbita da Terra, entre nosso planeta e Marte. Ela brilha escondida atrás da poeira com uma potência de 5 milhões de sóis, o que está no limite teórico, um pouco mais que isso, ela evaporaria. Nos últimos 20 anos, astrônomos detectaram um aumento do brilho da Eta Carinae, que se fosse dela mesmo já teria ultrapassado esse limite. Com isso, surgiu a hipótese de que ela explodiria dentro de algumas décadas," detalha Damineli.

No novo trabalho, ele conclui que não é isso que está acontecendo com a estrela. Para chegar a esse resultado, Damineli coordenou uma equipe de 17 pesquisadores do Brasil, Argentina, Alemanha, Canadá, e Estados Unidos, que analisou todos os dados de observação disponíveis sobre Eta Carinae dos últimos 80 anos.

Damineli e seus colaboradores propõem que o aumento de brilho de Eta Carinae não é intrínseco a ela como muitos pesquisadores imaginaram, mas é causado pela dissipação de uma nuvem de poeira posicionada exatamente na frente dela, em direção à Terra.

O estudo revelou que, além de três nuvens de gás (chamados glóbulos de Weigelt) existe uma quarta. "Ela cobre completamente a estrela e seus ventos, apagando a maior parte de sua luz viajando em nossa direção", explica o professor da USP. "Uma das outras três se desfez recentemente, um indício de que o mesmo deverá acontecer com a que tapa nossa visão."

Apesar dessa nuvem de poeira, a Nebulosa do Homúnculo pode ser vista diretamente, pois é 200 vezes maior do que ela e seu brilho quase não é afetado. Mas isso também vai acabar em breve.

"Em 2032, ou quatro anos a mais ou a menos, a poeira terá desaparecido e o brilho aparente da estrela não aumentará mais, mas ofuscará a nebulosa", diz Damineli. "Ou seja, em poucos anos, perderemos a oportunidade de tirar belas fotos do Homúnculo, mas veremos mais claramente o par de estrelas gêmeas dentro. Os apagões periódicos também poderão ser vistos com mais clareza."

Bibliografia:

Artigo: Distinguishing Circumstellar from Stellar Photometric Variability in Eta Carinae
Autores: Augusto Damineli, Eduardo Fernández-Lajús, Leonardo A. Almeida, Michael Francis Corcoran, Daniel S. C. Damineli, Ted R. Gull, Kenji Hamaguchi, Desmond John Hillier, Francisco J. Jablonski, Thomas I. Madura, Anthony F. J. Moffat, Felipe Navarete, Noel D. Richardson, Guilherme F. Ruiz, Nicolás E. Salerno, Maria Cecilia Scalia, Gerd. Weigelt
Revista: Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Vol.: 475, 4, 5417-5423
DOI: 10.1093/mnras/sty157
Link: https://arxiv.org/abs/1901.00531

Artigo: BRITE-Constellation reveals evidence for pulsations in the enigmatic binary ? Carinae
Autores: Noel D Richardson, Herbert Pablo, Christiaan Sterken, Andrzej Pigulski, Gloria Koenigsberger, Anthony FJ Moffat, Thomas I Madura, Kenji Hamaguchi, Michael F Corcoran, Augusto Damineli, Theodore R Gull, D John Hillier, Gerd Weigelt, Gerald Handler, Adam Popowicz, Gregg A Wade, Werner W Weiss, Konstanze Zwintz
Revista: Monthly Notices of the Royal Astronomical Society






Outras notícias sobre:
  • Corpos Celestes
  • Universo e Cosmologia
  • Telescópios
  • Exploração Espacial

Mais tópicos