Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Plantão

Filamentos magnéticos emergem do disco de uma galáxia

Redação do Site Inovação Tecnológica - 27/11/2019

Filamentos magnéticos emergem do disco de uma galáxia
Os filamentos, mostrados em verde e azul, estendem-se além do disco até o halo estendido da galáxia - verde indica filamentos com seu campo magnético apontando em nossa direção e azul com o campo apontando para longe de nós.
[Imagem: Jayanne English/Silvia Carolina Mora-Partiarroyo/Marita Krause]

Tentáculos magnéticos

Esta imagem da Galáxia da Baleia (NGC 4631), feita com o VLA (Karl Jansky Very Large Array), revela filamentos emergindo do campo magnético da galáxia, projetando-se acima e abaixo do disco da galáxia.

A galáxia espiral é vista de frente, com seu disco de estrelas mostrado em rosa.

Os filamentos, mostrados em verde e azul, estendem-se além do disco até o halo estendido da galáxia - verde indica filamentos com seu campo magnético apontando em nossa direção e azul com o campo apontando para longe de nós.

Esse fenômeno, com o campo magnético alternando em direção, nunca havia sido visto no halo de uma galáxia.

"Nós estamos mais ou menos como na história do cego e do elefante, já que cada vez que olhamos para uma galáxia de uma maneira diferente chegamos a uma conclusão diferente sobre sua natureza! No entanto, parece que temos uma daquelas raras ocasiões em que uma teoria clássica, sobre geradores magnéticos chamados dínamos, previu muito bem as observações da NGC 4631. Nosso modelo de dínamo produz campos magnéticos em espiral no halo que são uma continuação dos braços espirais normais no disco da galáxia," disse Richard Henriksen, da Universidade Queen's (Reino Unido).

"Esta é a primeira vez que detectamos claramente o que os astrônomos chamam de campos magnéticos coerentes e de larga escala no halo de uma galáxia espiral, com as linhas de campo alinhadas na mesma direção por distâncias de mil anos-luz. Nós vemos até mesmo um padrão regular desse campo organizado mudando de direção," disse Marita Krause, do Instituto Max-Planck de Radioastronomia, na Alemanha.

Os astrônomos planejam aprofundar suas observações para refinar ainda mais sua compreensão da estrutura magnética completa da galáxia.

Bibliografia:

Artigo: Cosmic-ray propagation and magnetic field strengths in the radio halo of NGC 4631
Autores: Silvia Carolina Mora-Partiarroyo, Marita Krause, Aritra Basu, Rainer Beck, Theresa Wiegert, Judith Irwin, Richard Henriksen, Yelena Stein, Carlos J. Vargas, Volker Heesen, René A. M. Walterbos, Richard J. Rand, George Heald, Jiangtao Li, Patrick Kamieneski, Jayanne English
Revista: Astronomy & Astrophysics
Vol.: 632, A10
DOI: 10.1051/0004-6361/201834571






Outras notícias sobre:
  • Universo e Cosmologia
  • Magnetismo
  • Corpos Celestes
  • Exploração Espacial

Mais tópicos