Plantão

Telescópio infravermelho capta nova vista da Galáxia do Escultor

Telescópio infravermelho capta nova vista da Galáxia do Escultor
Como o VISTA faz suas observações nos comprimentos de onda do infravermelho, ele consegue "enxergar" através da poeira, algo que é extremamente proeminente na Galáxia do Escultor quando ela é observada em radiação visível. [Imagem: ESO/J. Emerson/VISTA]

Vista do VISTA

O telescópio VISTA, situado no Observatório do Paranal, no Chile, obteve uma nova imagem espectacular da Galáxia do Escultor (NGC 253), imagem essa que faz parte da sua primeira grande campanha observacional.

Ao observar no infravermelho, a visão do VISTA é menos afetada pela poeira interestelar, revelando uma enormidade de estrelas frias, assim como uma barra de estrelas proeminente que atravessa a região central da galáxia.

Galáxia do Escultor

A Galáxia do Escultor está na constelação com o mesmo nome e é uma das galáxias mais brilhantes do céu. Ela é suficientemente brilhante para poder ser observada com binóculos e foi descoberta por Caroline Herschel em 1783.

A NGC 253 é uma galáxia espiral, situada a cerca de 13 milhões de anos-luz de distância. É o membro mais brilhante de um pequeno conjunto de galáxias chamado Grupo do Escultor, um dos grupos mais próximos do nosso próprio Grupo Local.

Parte da sua proeminência na radiação visível deve-se à sua categoria de starburst (galáxia com formação estelar explosiva), o que quer dizer que, em seu interior, estrelas estão se formando muito rapidamente. A Galáxia do Escultor tem também muita poeira interestelar, que obscurece grandes regiões da galáxia.

Vista a partir da Terra, a galáxia encontra-se em uma posição no céu que torna os braços em espiral claramente visíveis, e pode-se ver igualmente o núcleo brilhante no seu centro.

Telescópio de infravermelho

O telescópio VISTA (Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy), a última adição ao Observatório do Paranal, no deserto chileno do Atacama, é o maior telescópio de rastreio do mundo.

Inaugurado pelo Observatório Europeu do Sul (ESO) no final de 2009, o telescópio fez dois estudos detalhados de pequenas regiões do céu, antes de iniciar os rastreios para valer que se iniciaram agora. Num destes "mini rastreios" foi feito um estudo detalhado da NGC 253 e da sua vizinhança.

Como o VISTA faz suas observações nos comprimentos de onda do infravermelho, ele consegue "enxergar" através da poeira, algo que é extremamente proeminente na Galáxia do Escultor quando ela é observada em radiação visível.

O VISTA revelou parte do que estava escondido pelas grossas nuvens de poeira situadas na região central do disco e permitiu uma visão bastante clara de uma barra de estrelas bastante proeminente que se estende pela região nuclear - barra essa que não se observava nas imagens obtidas na radiação visível.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas