Informática

Nasce uma World Wide Web mais realística... para os computadores

Nasce uma World Wide Web mais realística... para os computadores
A tecnologia implementada pelo projeto TripCom está criando uma World Wide Web que fará para os computadores o que a Web fez pelos humanos que navegam pela Internet.[Imagem: TripCom]

O sistema de funcionamento da Web é bem conhecido: quem tem algo a publicar ou divulgar cria o seu conteúdo e o disponibiliza em um servidor na forma de um site. As pessoas interessadas naquele conteúdo acessam o site quando necessário.

Mas o paradigma de funcionamento da Web, no tocante à interligação dos próprios computadores, não segue esse mesmo modelo, baseando-se muito mais na forma de funcionamento dos e-mails, ou seja, mediante a troca sincronizada de mensagens, na qual um computador requisita um serviço e aguarda a resposta do outro.

Uma Web não tão Web

"Apesar do seu nome, os serviços Web não são assim tão Webby," explica a Dra. Elena Simperl, da Universidade de Innsbruck, na Áustria. "A forma como eles se comunicam é mais parecida com a do e-mail, na qual as mensagens são enviadas e recebidas pelos computadores, em vez de uma comunicação assíncrona verdadeira, na qual a informação é publicada e se torna disponível de forma persistente o tempo todo."

Em termos simples, isto significa que a Web funciona com base em padrões de comunicação pré-Web, que nem de longe são tão eficientes quanto o paradigma site-navegador.

Web para as máquinas

Para tentar resolver este problema, a Dra. Elena está coordenando um projeto chamado TripCom, cujo objetivo é criar serviços Web que funcionem de forma mais rápida, mais eficiente e mais segura.

A tecnologia implementada pelo projeto TripCom está criando uma World Wide Web que fará para os computadores o que a Web fez pelos humanos que navegam pela Internet.

"Quando nós começamos nossa pesquisa, entre 2004 e 2005, esta não era uma ideia muito popular. Mas o que vemos é que o mundo evoluiu na nossa direção, na medida que mais e mais serviços de software foram disponibilizados na Internet e a computação em nuvem se tornou o assunto do momento para grandes empresas," explica a Dra. Elena.

Declarações de conhecimento

Os pesquisadores criaram uma espécie de linguagem - um conjunto de regras semânticas - para descrever a informação. O "quadro de descrição de recursos", ou RDF (Resource Description Framework), criado pelo projeto TripCom, permite a construção de "declarações de conhecimento."

Embora seja conceitualmente similar ao de computação em nuvem, onde os recursos computacionais são distribuídos e oferecidos como um serviço pela Internet, o novo padrão manipula dados que as máquinas conseguem entender e manipular mais facilmente.

Esses dados são armazenados em espaços virtuais compartilhados, onde podem ser acessados por múltiplos processos e aplicações. "É o mesmo paradigma da Web, onde a informação é publicada, armazenada e lida de forma persistente. Mas, em vez de ser usada por humanos, ela é usada pelas máquinas," explica a pesquisadora.

Uma versão de testes do kernel TripCom está disponível para testes pelos clientes da Amazon Web Services, que oferece serviços de computação em nuvem. Uma versão para download está disponível no site do projeto, no endereço www.tripcom.org/download.php.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas