Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Espaço

Novo telescópio dirá se Planeta Nove é um planeta ou um buraco negro

Redação do Site Inovação Tecnológica - 13/07/2020

Novo telescópio dirá se Planeta Nove é um planeta ou um buraco negro
Se há mesmo um buraco negro de massa estelar na fronteira do Sistema Solar, ele deve ser pouco maior do que uma laranja.
[Imagem: M. Weiss/CFA/Harvard]

Buraco negro ou planeta?

Astrônomos da Universidade de Harvard, nos EUA, desenvolveram um método para encontrar buracos negros no Sistema Solar e, nessa busca, determinar de uma vez por todas a verdadeira natureza do hipotético Planeta Nove, ou Planeta X.

A ideia é procurar pequenos buracos negros na orla externa do Sistema Solar monitorando explosões produzidas quando cometas forem capturados por esses funis gravitacionais.

Amir Siraj e Abraham Loeb querem usar o LSST (Telescópio de Levantamento Sinóptico Grande) - recentemente rebatizado de Observatório Vera Rubin - atualmente em construção no Chile, para observar as explosões resultantes do impacto mesmo de pequenos objetos da nuvem de Oort, um repositório de objetos celestes que os astrônomos acreditam ser o "local de moradia" dos cometas.

E, se essas hipotéticas explosões forem ou não detectadas, isso poderia provar ou descartar o Planeta Nove como um sendo buraco negro.

"Nas vizinhanças de um buraco negro, os pequenos corpos que se aproximam dele derreterão como resultado do aquecimento da acreção do gás do meio interestelar para o buraco negro," disse Siraj. "Assim que derretem, os pequenos corpos estão sujeitos ao esfacelamento de maré pelo buraco negro, seguido pela acreção do corpo perturbado pelas marés em direção ao buraco negro".

"Como os buracos negros são intrinsecamente escuros, a radiação que a matéria emite a caminho da boca do buraco negro é nossa única maneira de iluminar esse ambiente escuro," acrescentou Loeb.

Telescópio para procurar buracos negros

A expectativa é que o LSST tenha a sensibilidade necessária para detectar as tais explosões de acreção graças ao seu amplo campo de visão, ao fato de que ele varrerá o céu inteiro repetidamente - duas vezes por semana - e à sua profundidade de campo sem precedentes, o que permitirá a detecção de explosões muito passageiras, resultantes de impactos relativamente pequenos, bem mais frequentes do que os grandes.

O foco no Planeta Nove é natural, uma vez que qualquer resultado terá um significado científico de grande importância, seja a detecção de um novo planeta no Sistema Solar, seja a descoberta sem precedentes de um buraco negro de massa planetária bem no nosso quintal.

"Tem havido muita especulação sobre explicações alternativas para as órbitas anômalas observadas no Sistema Solar externo. Uma das ideias apresentadas foi a possibilidade de o Planeta Nove ser um buraco negro do tamanho de uma toranja com uma massa de cinco a dez vezes a da Terra. Este método [que desenvolvemos] pode detectar ou descartar buracos negros de massa planetária presos na borda da nuvem de Oort, ou cerca de cem mil unidades astronômicas [de distância]," disse Siraj.

Bibliografia:

Artigo: Searching for Black Holes in the Outer Solar System with LSST
Autores: Amir Siraj, Abraham Loeb
Revista: Astrophysical Journal Letters
Link: https://arxiv.org/abs/2005.12280





Outras notícias sobre:
  • Corpos Celestes
  • Telescópios
  • Exploração Espacial
  • Sondas Espaciais

Mais tópicos