Plantão

Professora de robótica brasileira está entre as melhores do mundo

Professora de robótica brasileira está entre as melhores do mundo
Débora Garofalo está entre os dez melhores professores do mundo, depois de levar um curso de robótica com sucata a mais de 2.000 crianças da periferia de São Paulo.[Imagem: Arquivo pessoal/Direitos reservados]

Professora de primeira

Com um projeto de ensino de robótica com sucata para estudantes de escola pública, Débora Garofalo foi selecionada entre mais de 10 mil candidatos de várias nacionalidades e está entre os dez melhores professores do mundo.

A professora de Língua Portuguesa, que ensina tecnologia na periferia de São Paulo, é finalista no Global Teacher Prize 2019, prêmio internacional que reconhece métodos inovadores e criativos para lecionar e oferece prêmio de US$ 1 milhão.

Desde o início do projeto, em 2015, mais de uma tonelada de materiais recicláveis foram retirados das ruas da cidade e transformados em protótipos - produtos de um trabalho da fase de teste - na Escola Municipal Ensino Fundamental Almirante Ary Parreira, na Vila Babilônia, zona sul da capital paulista.

"O projeto de robótica com sucata nasceu da vontade de transformar a vida das crianças da periferia aqui da cidade de São Paulo. Eu sempre acreditei, como professora, que a educação só faz sentido se ela puder ser significativa e se ela puder ter esse caráter transformador.

"Eu queria trazer essa visão para as crianças de que a tecnologia é uma propulsora da aprendizagem e que, na educação básica, a gente podia então trabalhar esses conceitos. Só que eu não tinha nenhum material para começar e eu também não queria que esse ensino fosse limitado a um grupo de alunos", disse Débora.

Robótica com sucata

O sucesso do projeto trouxe grandes lições, de acordo com a professora. Uma delas é pensar em uma escola que não só produza mais conhecimento, mas que comece a contribuir com soluções locais.

Jovens de 6 a 14 anos aprendem sobre montagem de motor, circuitos e programação para, então, terem autonomia e pensarem no que vão construir. "Em um primeiro momento, a gente olha bem para esses materiais que a gente recolheu porque são materiais diversos e aí [os alunos] vão começar a pensar e estruturar o que eles gostariam de construir", contou.

Já foram construídos brinquedos, um pequeno semáforo, uma máquina de refrigerante, robôs, barata e aranha robóticas, além de soluções para questões práticas da vida. "Um aluno criou uma casa sustentável. Uma réplica da casa dele, mas totalmente sustentável, com energia solar, usando o Arduíno [microprocessador de código aberto] para ligar e desligar [a luz] em horários para fazer economia de energia. A gente vê que nasce um pouco de tudo, inclusive soluções para o dia a dia.

"O foco do nosso trabalho realmente é um trabalho sustentável, não é só ensinar robótica, é mostrar que a gente pode intervir nessa sociedade transformando esse material, reciclando, reutilizando. Quando a gente pensa no ensino de robótica, todo mundo fala 'precisa ter altos recursos para trabalhar robótica' e a gente quis também desmitificar isso, porque a robótica nada mais é do que você encontrar soluções, então trabalhar de forma sustentável foi uma das nossas soluções," disse a professora.

Método mão na massa

Débora considera que o método "mão na massa" - a aprendizagem criativa - é essencial para os estudantes. "Começou a se criar uma febre na escola porque uma criança foi seguindo o modelo da outra 'se ele conseguiu fazer, eu também posso fazer, então vou tentar também'. Isso foi mudando a cara da escola, então aos poucos os professores foram aderindo e o trabalho foi se tornando interdisciplinar, já que a gente trabalha com uma questão do lixo que dá pra abordar diversos aspectos".

A professora promove formação em todo país para outros professores sobre o ensino de robótica com sucata. "Nós só chegamos a essa etapa do prêmio justamente por ter esses dados comprobatórios que o trabalho é replicável, porque é uma das exigências do prêmio".

Ela destaca ainda a importância de que essa experiência possa se disseminar. "Nós não somos preparados para trabalhar com tecnologia, então é muito importante que o professor também vivencie, que seja prazeroso para o professor, porque só assim ele vai ter condições de replicar", finalizou.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas