Mecânica

Transmissão mecânica sem contato dispensa lubrificação

Transmissão mecânica sem contato usa magnetismo e dispensa lubrificação
Utilizando apenas forças magnéticas para transferir energia mecânica, a transmissão sem contato não terá atrito, eliminando totalmente a necessidade de lubrificação.[Imagem: Universidad Carlos III]

Pesquisadores da Universidade Carlos III, de Madrid, na Espanha, estão coordenando um projeto internacional cujo objetivo é desenvolver um novo conceito de transmissão mecânica sem contato entre as partes.

Utilizando apenas forças magnéticas para transferir energia mecânica, a transmissão sem contato não terá atrito, evitando a perda de energia por calor e o desgaste das peças, eliminando totalmente a necessidade de lubrificação.

Transmissão espacial

Embora o trabalho possa vir a ter impacto em inúmeros campos da indústria - basta lembrar o sistema de embreagem dos automóveis e todos os acoplamentos entre motores e engrenagens - o objetivo primário dos pesquisadores é desenvolver uma transmissão sem contato para uso no espaço.

"Este mecanismo, que é responsável pela transmissão de energia entre os vários elementos dentro de uma máquina, deverá ser capaz de ir para o espaço e funcionar durante anos sem qualquer tipo de avaria ou qualquer evento similar," explicou o professor José Luis Pérez Díaz, coordenador do projeto MagDrive.

Nas temperaturas criogênicas do espaço - cerca de -200 º C - os lubrificantes convencionais tornam-se duros como rocha e, ao invés de ajudar, começam a causar problemas, exigindo aquecimento - e consumo de energia - quando é necessário movimentar partes dos satélites artificiais e sondas espaciais.

"Além disso, se levarmos em conta que mais de metade da energia que consumimos é perdida por atrito, ter mecanismos que não apresentem tal perda será verdadeiramente significativo," diz o pesquisador.

Transmissão sem contato

As utilidades de uma transmissão mecânica sem contato, sem lubrificação e sem manutenção são praticamente inumeráveis.

Centrar o foco nas aplicações espaciais parece ser natural, uma vez que é quase sempre inviável ou inexistente o acesso a esses equipamentos para manutenção - uma vez quebrado, o veículo imediatamente transforma-se em lixo espacial. E é um grande desperdício de recursos e de tempo quando isso acontece por um prosaico problema em engrenagens.

Mas operar em temperaturas criogênicas habilita o dispositivo para uso imediato aqui na Terra também - por exemplo nos equipamentos de tomografia computadorizada e ressonância magnética, que já operam nessa faixa de temperatura por exigência de seus magnetos supercondutores.

E futuras pesquisas poderão ampliar esses usos.

"Se a nossa transmissão puder ser extrapolada para a temperatura atmosférica ela poderá ser utilizada em qualquer sistema de transmissão que possa tirar proveito dessas propriedades," diz Pérez Díaz.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas