Robótica

Robô doméstico se adapta às pessoas e aos lugares

Redação do Site Inovação Tecnológica - 18/04/2007

Robô doméstico se adapta às pessoas e aos lugares

Cientistas do MIT, Estados Unidos, estão desenvolvendo um robô capaz de pegar objetos comuns em uma residência. "Robôs na indústria automobilística simplesmente manipulam objetos, mas eles fazem sempre a mesma coisa, ao longo do mesmo caminho," explica o professor Aaron Edsinger.

Robô doméstico

O objetivo do robô Domo é mais amplo. Ele deverá ser capaz de efetuar tarefas manuais comuns no dia-a-dia, como levar e trazer objetos domésticos os mais variados, lavar pratos, pegar um copo com água, buscar o controle remoto, o telefone etc.

Os cientistas não estão partindo do zero. Foi no MIT que nasceu o robô Kismet, famoso por reconhecer e expressar emoções - o que significa que ele possui um excepcional sistema de visão artificial. E foi lá também que nasceu o robô Cog, capaz de manipular objetos desconhecidos.

É justamente por aproveitar as plataformas robóticas anteriores que o trabalho da equipe do Dr. Edsinger está mais adiantado do que o dos seus colegas da Universidade de Stanford, que também estão criando um robô assistente que deverá fazer tarefas do dia-a-dia.

Um robô doméstico como o Domo é o sonho da maioria das donas de casa. Mas um robô assim, quando totalmente desenvolvido, poderá auxiliar também pessoas portadoras de deficiências, invisuais e cadeirantes.

Robô que se adapta

"Tipicamente os robôs são colocados em mundos muito restritos porque assim você pode controlar o ambiente. Se você colocar esse robô na casa de alguém, aquela abordagem não vai funcionar," diz Edsinger. "Nós queremos que o robô se adapte ao mundo e não que o mundo se adapte ao robô."

Ainda falta muita pesquisa e desenvolvimento até chegarmos a esse modelo ideal. Embora o Domo consiga "enxergar" qualquer coisa que seja posta em sua frente, as imagens capturadas pelas câmeras são processadas por nada menos do que 12 computadores, necessários para que o Domo consiga tomar uma decisão adequada sobre como pegar cada objeto específico.

O robô já atende a comandos de voz, e consegue procurar por alguns objetos específicos. Antes de concluir que realmente encontrou o objeto procurado, ele estende a mão e tenta tocar o objeto. Seu programa também já faz associações entre objetos. Por exemplo, ao receber um saquinho cheio de grãos de café, o robô balança-o levemente para tentar caracterizá-lo e, a seguir, coloca-o sobre a prateleira.

Outras notícias sobre:

Mais Temas