Informática

Parede de visualização manipula objetos 3D com lanterna mágica

Parede de visualização manipula objetos 3D com lanterna mágica
A grande novidade do sistema, que supera as cavernas digitais, é a lanterna mágica, que possibilita um zoom seletivo nas imagens. [Imagem: UPC]

Parede de visualização

Cientistas espanhóis criaram o que eles chamam de "parede de visualização", uma técnica que permite a realização de zoom e manipulação automáticas no material que está sendo visto.

Desenvolvida inicialmente para a visualização 3D de imagens médicas, a nova tela possui incorporada uma tecnologia batizada de "lanterna mágica".

Usando a lanterna, o usuário pode inspecionar qualquer parte do corpo humano, seja dando um zoom na camada externa da pele, seja "mergulhando" no corpo para visualizar músculos, sistema circulatório, ossos, e assim por diante.

Os pesquisadores da Universidade Politécnica da Catalunha afirmam que, embora haja diversas tecnologias de visualização científica no mercado, ou em desenvolvimento em laboratórios ao redor do mundo, eles tinham um duplo objetivo: melhorar a funcionalidade e diminuir o custo do equipamento.

O resultado, segundo eles, criou uma nova ferramenta que poderá ser usada não apenas na medicina, mas também na paleontologia, no desenho industrial, ou em qualquer outro campo onde a manipulação das imagens seja importante para o trabalho.

Melhor que caverna digital

O sistema inclui duas telas de alta resolução, com 132 polegadas, três projetores, um espelho de reflexão, um sistema de posicionamento e óculos polarizadores para visualização das imagens 3-D, tudo coordenado por um programa de computador desenvolvido pela própria equipe.

O resultado se assemelha aos das muito mais caras cavernas digitais, já que permite a visualização perfeita das imagens por grupos de até 15 pessoas.

Além da lanterna mágica, um ponteiro óptico para manipulação das imagens, o sistema conta com tela sensível ao toque e detecção do movimento dos usuários, reagindo de forma seletiva a cada um deles.





Outras notícias sobre:

Mais Temas