Espaço

Cientistas descobrem como "ver" dimensões extras do espaço

Cientistas descobrem como ver dimensões extras do espaço
[Imagem: Andrew J. Hanson/Indiana University]

Dimensões extras do espaço

Físicos da Universidade de Wisconsin-Madison, Estados Unidos, publicaram uma nova teoria que promete nada menos do que a possibilidade de que se possa "enxergar" as dimensões extras do Universo.

Segundo eles, o formato dessas dimensões pode ser visto decifrando-se sua influência sobre a radiação cósmica liberada logo após o Big Bang (Veja também Cientistas descobrem como detectar a quarta dimensão do espaço).

Teoria das Cordas

O que é mais significativo na proposta dos físicos Gary Shiu e Bret Underwood é que sua idéia pode ser um método viável para se testar a Teoria da Cordas. Esta é uma das principais candidatas à posição de "teoria do tudo", que os físicos têm procurado como forma para unificar as teorias da Relatividade e Quântica. Só que, até agora, não existe uma forma para se testar experimentalmente essa nova proposta de teoria.

A Teoria das Cordas propõe que nós vemos apenas uma parte do mundo. Assim, em vez de falarmos O Universo, seria mais correto falarmos nosso universo. Além das nossas quatro dimensões - o x, y e z do espaço, mais o tempo - existiriam outras seis dimensões espaciais "escondidas" em minúsculos formatos geométricos em cada ponto individual do universo.

Caçando dimensões

Se os cientistas conseguirem comprovar sua teoria e efetivamente gerar um mapa visual das outras dimensões, eles estarão simultaneamente provando a existência dessas dimensões, o que poderia elevar a Teoria das Cordas ao trono da física.

"Você pode teorizar qualquer coisa, mas você ter que ser capaz de comprová-la com experimentos," diz Shiu. "Agora o problema é, como nós testamos isto?"

Ele e Underwood acreditam ter a resposta: a seis minúsculas dimensões extras teriam afetado mais fortemente o nosso universo quando ele estava nascendo, apenas alguns milionésimos de segundo depois do Big Bang.

Mapa da energia no Universo

E, segundo os pesquisadores, as pegadas deixadas por essas dimensões poderiam ser encontradas na radiação cósmica de fundo, uma espécie de eco do Big Bang.

Utilizando dois formatos geométricos simples, apenas para demonstrar o funcionamento de sua teoria, eles calcularam o mapa previsto da energia que seria visto no universo caso as dimensões extras tivessem cada um desses formatos. Quando compararam os dois mapas, eles encontraram diferenças pequenas, mas muito significativas.

"Nossos resultados com formatos simples e bem conhecidos deram a prova de conceito de que a geometria das dimensões escondidas pode ser decifrada a partir do padrão de energia cósmica," diz Shiu. "Isto oferece uma oportunidade rara na qual a teoria das cordas pode ser testada." A imagem acima é o resultado dessa análise de demonstração.

Os cientistas ainda não possuem dados com a precisão suficiente para efetuar cálculos realistas. Eles esperam que o satélite Planck, da Agência Espacial Européia, agendado para ser lançado em 2008, possa fornecer os dados necessários para testar sua hipótese e, por decorrência, a Teoria das Cordas.

Bibliografia:

Observing the Geometry of Warped Compactification via Cosmic Inflation
Gary Shiu, Bret Underwood
Physical Review Letters
2 February 2007
Vol.: 98, 051301 (2007)
DOI: 10.1103/PhysRevLett.98.051301




Outras notícias sobre:

Mais Temas