Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Mecânica

Ar-condicionado de vestir tira seu calor sem gastar eletricidade

Redação do Site Inovação Tecnológica - 07/01/2020

Ar-condicionado de vestir tira seu calor sem gastar eletricidade
A equipe espera ter uma versão do ar-condicionado de vestir pronta para uso em um a dois anos.
[Imagem: University of Missouri]

Ar-condicionado pessoal

Engenheiros da Universidade do Missouri, nos EUA, construíram um ar-condicionado de "vestir" - na verdade um adesivo para ser colado sobre a pele.

O dispositivo fornece aproximadamente 6º C de resfriamento para o corpo humano - sob uma intensidade solar de 840 Wm-2.

E, melhor de tudo, ele não exige bateria ou qualquer outro tipo de alimentação: o ar-condicionado pessoal de fato não consome eletricidade.

Ocorre que o material respirável e impermeável fornece ar-condicionado pessoal através de um processo chamado refrigeração passiva, ou refrigeração radiativa. O resfriamento passivo não utiliza eletricidade, enviando o calor para o espaço exterior por meio de um tipo de radiação para a qual a atmosfera terrestre é transparente.

"Nosso dispositivo pode refletir a luz solar para longe do corpo humano para minimizar a absorção de calor, ao mesmo tempo em que permite que o corpo dissipe o próprio calor do corpo, permitindo assim obter cerca de seis graus Celsius de resfriamento para o corpo humano durante o dia," disse o professor Zheng Yan. "Acreditamos que esta é uma das primeiras demonstrações dessa capacidade no campo emergente da eletrônica sobre a pele".

Além do conforto térmico, há inúmeras aplicações da tecnologia, sobretudo nos cuidados com a saúde humana, em conjunto com circuitos para monitorar a pressão sanguínea, a atividade elétrica do coração e o nível de hidratação da pele, por exemplo.

Ar-condicionado de vestir tira seu calor sem gastar eletricidade
Foto do protótipo do ar-condicionado de vestir, antes (esquerda) e depois (direita) da remoção do substrato plástico.
[Imagem: Yadong Xu et al. - 10.1073/pnas.1917762116]

Roupas inteligentes

O protótipo consiste em um adesivo que deve ser aplicado sobre a pele com a ajuda de um substrato polimérico e água.

A equipe estima que terá uma versão pronta para uso em cerca de um a dois anos. Nesse meio tempo, eles também planejam incluir a tecnologia em roupas inteligentes.

"Eventualmente, gostaríamos de pegar essa tecnologia e aplicá-la ao desenvolvimento de têxteis inteligentes," disse Yan. "Isso permitiria que os recursos de resfriamento do dispositivo fossem disponibilizados por todo o corpo. No momento, o resfriamento está concentrado apenas em uma área específica em que o revestimento está localizado. Acreditamos que isso pode potencialmente ajudar a reduzir o uso de eletricidade e também o aquecimento global."

Bibliografia:

Artigo: Multiscale porous elastomer substrates for multifunctional on-skin electronics with passive-cooling capabilities
Autores: Yadong Xu, Bohan Sun, Yun Ling, Qihui Fei, Zanyu Chen, Xiaopeng Li, Peijun Guo, Nari Jeon, Shivam Goswami, Yixuan Liao, Shinghua Ding, Qingsong Yu, Jian Lin, Guoliang Huang, Zheng Yan
Revista: Proceedings of the National Academy of Sciences
DOI: 10.1073/pnas.1917762116





Outras notícias sobre:
  • Refrigeração
  • Sensores
  • Internet das Coisas
  • Biomecatrônica

Mais tópicos