Plantão

Fundição de metal tem elemento tóxico acima do limite

Júlio Bernardes - Agência USP - 16/11/2009

Fundição de metal tem elemento tóxico acima do limite
Os maiores picos de concentração de elementos particulados foram detectados durante o processo de moldagem, quando o material fundido é levado para o molde. [Imagem: ESCO]

A partir da coleta de amostras de partículas em suspensão na atmosfera de uma indústria de fundição, pesquisa do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA) da USP, em Piracicaba, encontrou picos de concentração de elementos químicos potencialmente tóxicos, como chumbo, níquel e cromo, até 100 vezes maiores que as concentrações médias estabelecidas por órgãos ambientais.

Durante o processo de fundição de metais, essas substâncias podem estar presentes na forma de material particulado em suspensão atmosférica (MPS).

Filtro para particulado fino

O professor Paulo Rogério Massoni obteve as amostras com uma nova técnica, usando um coletor de aerossóis automatizado associado a uma bomba de vácuo, que separa as partículas por tamanho.

"A rotação de filtros para particulado fino e grosso, no interior do amostrador, permitiu programar a realização da coleta em intervalos de 20 minutos ao longo do dia de trabalho", explica. "Isso possibilitou a análise periódica da qualidade da atmosfera ambiente e dos momentos mais críticos de exposição dos trabalhadores durante o processo de fundição".

As amostras foram analisadas por meio da fluorescência de raios X por dispersão de energia. "Ao ser irradiado, cada elemento presente no filtro emite um raio X característico", descreve Massoni. "Quanto maior o número de elementos e suas quantidades presentes nas amostras, mais raios X característicos são detectados, possibilitando o cálculo de suas concentrações por metro cúbico de ar em cada momento programado de coleta e na média diária no ambiente de fundição."

Poluição na moldagem

Os maiores picos de concentração de elementos no MPS aconteceram durante o processo de moldagem, quando o material fundido era levado para o molde. Os valores foram comparados às concentrações estabelecidas como limites pelas agências ambientais nacionais e internacionais.

"Na fundição de ferro, por exemplo, a concentração média diária de chumbo no particulado atmosférico foi 34 vezes maior do que a estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS)", ressalta o pesquisador. "No momento da moldagem, obteve-se pico de concentração de chumbo 100 vezes maior que o limite."

Riscos de câncer

O estudo também encontrou níveis elevados de cromo e níquel, que são elementos carcinogênicos (associados à ocorrência de câncer). "Na fundição de bronze, as concentrações de níquel e cromo atingiram, respectivamente, médias 3 e 60 vezes maiores que a estabelecida pela Fundação Nacional de Saúde, [Funasa]", aponta o professor. "Na fundição de ferro, esses valores foram, respectivamente, 12 e 140 vezes maiores".

O material particulado na atmosfera das fundições entra no organismo pelas vias respiratórias podendo chegar aos alvéolos pulmonares (no caso do MPS fino) e trazer sérios riscos para a saúde ao entrar na corrente sanguínea. "Dos elementos detectados, o chumbo é um dos mais perigosos, pois pode provocar danos neurológicos e imunológicos irreversíveis", acrescenta Massoni. "Na fundição de bronze, para citar outro exemplo, a concentração média ultrapassa cinco vezes o valor-limite da OMS."

Medo da fiscalização

O pesquisador aponta que há dificuldade de acesso às fundições, principalmente as de grande porte, para realizar qualquer análise ambiental, como a da qualidade do material particulado atmosférico presente no interior da indústria. "As empresas têm receio de eventuais fiscalizações", diz. Para reduzir a exposição, Massoni recomenda o aprimoramento dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), além de seu uso constante e de modo adequado.

"Os trabalhadores usam máscaras, mas elas servem para proteger da poeira, não retendo devidamente o material particulado atmosférico", alerta. "Mesmo quem trabalha longe da área de fundição, como pessoal de escritório, tem problemas relacionados à presença dos elementos potencialmente tóxicos no MPS, como indisposição estomacal". Os funcionários, após a fundição, sofrem com sintomas de azia e, para amenizá-los, ingerem antiácidos."





Outras notícias sobre:

    Mais Temas