Plantão

Sonda que se chocará com a Lua perde quase todo seu combustível

Sonda que se chocará com a Lua perde quase todo seu combustível
Apesar de ter perdido quase todo o seu combustível, a sonda espacial deverá se chocar contra a Lua no próximo dia 9 de Outubro.[Imagem: NASA]

A sonda LCROSS, que tem um encontro marcado com uma cratera da Lua no próximo dia 9 de Outubro, perdeu quase todo o seu combustível, aparentemente por uma falha de software.

Impacto profundo na Lua

Para tentar encontrar água nas crateras congeladas da Lua, o último estágio do foguete Atlas que colocou a LCROSS no espaço será usado como um projétil que deverá alvejar uma cratera no lado escuro da Lua.

A própria sonda estará logo atrás, na mesma rota do projétil, e usará seus instrumentos científicos para mapear a "assinatura química" da poeira lunar que se levantará em razão do impacto.

Há poucos dias, durante a fase de ajustes dos instrumentos da sonda espacial, a LCROSS detectou vida no Planeta Azul.

Sonda perdida

Segundo as primeiras informações levantadas pela NASA, a perda inesperada de combustível se deu quando a sonda acionou continuamente seus foguetes para se manter no curso, ainda que ela estivesse perfeitamente na rota planejada.

A LCROSS possui dois sistemas de orientação, um deles baseado em seus giroscópios e o outro, menos preciso, baseado no rastreamento de uma estrela. Uma falha de comunicação, nos circuitos da própria sonda, fez com que a LCROSS chaveasse para o modo de rastreamento de estrelas.

Mas, aparentemente, seu programa passou a receber dados anômalos, o que fez que os motores fossem acionados continuamente na tentativa de fazer correções de rota em reação a esses números desconexos.

Os dados anômalos, classificados como "ruído", duraram apenas um segundo. Para evitar novas falhas, os engenheiros reprogramaram o software e agora a LCROSS somente tentará corrigir seu rumo se a indicação de erro durar pelo menos cinco segundos.

Descontaminação

Tudo aconteceu depois que a equipe de controle enviou um comando para girar a sonda, fazendo com que seu lado mais frio fique virado para o Sol, a fim de vaporizar qualquer resíduo de água que tenha sobrado no último estágio do foguete Centauro, que funcionará como projétil para alvejar a cratera lunar.

O principal objetivo da missão é justamente descobrir a existência de água congelada nessas crateras, o que exige a "descontaminação" do projétil de qualquer água que não seja de fato originária da Lua.

Quando os engenheiros fizeram novo contato com a nave, eles descobriram que ela havia gasto 140 quilogramas de hidrazina nas últimas 20 horas, durante o período em que ela estava em modo automático. Agora só restam 50 quilos do combustível nos tanques da LCROSS.

Operação conjunta

Apesar do desperdício de combustível, os engenheiros da NASA afirmam que os 50 quilogramas restantes são suficientes para completar a missão. Para alterar o curso atual e colocar a LCROSS em rota de colisão com a Lua serão necessários entre 10 e 20 quilogramas apenas.

Todo o combustível adicional estava lá apenas para o caso de uma emergência. Aparentemente esse excesso de zelo salvou a missão. Pelo menos até agora.

O impacto da sonda LCROSS com a Lua está marcado para o próximo dia 9 de Outubro. Nas próximas semanas a NASA deverá anunciar o local preciso do impacto. A agência tem todo o interesse em divulgar ao máximo o ponto exato do impacto, para que todos os telescópios disponíveis na Terra estejam apontados para o local, ajudando a coletar dados.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas