Eletrônica

Pesquisadores do Laboratório Nacional Sandia, dos Estados Unidos, desenvolveram uma nova classe de filmes dielétricos que poderão ser utilizados como antifusíveis.

Antifusíveis são componentes que funcionam de forma inversa aos fusíveis, sendo utilizados em chips que podem ser programados depois de terem sido fabricados.

Inúmeras aplicações exigem microprocessadores dedicados, capazes de executar tarefas específicas. São os chamados PLDs ("Programmable Logic Device", ou dispositivos de lógica programável). Ao invés de serem fabricados com portas lógicas, como os chips tradicionais, de uso geral, eles são fabricados com pares de fusível/antifusível.

Para programá-los para executar uma tarefa específica, uma corrente elétrica é utilizada para queimar o fusível ou ativar o antifusível, configurando o seu comportamento lógico. Os antifusíveis também podem ser utilizados em dispositivos de memória não-volátil.

A grande vantagem dos novos antifusíveis é que eles exigem menos voltagem para serem ativados e são menores, o que poderá permitir a fabricação de chips menores.

Os antifusíveis utilizados hoje são estruturas complexas, formados por várias camadas de filmes ultrafinos, e que não podem ser fabricados pelo processo CMOS ("Complimentary Metal Oxide Semiconductor") utilizado para se construir os chips. Além disso, eles exigem tensões acima de 5 volts para serem ativados, o que os torna incompatíveis com os chips mais modernos.

"Além da compatibilidade com os circuitos integrados estado-da-arte, a nova tecnologia de antifusível oferece uma enorme flexibilidade na posição onde ele pode ser colocado dentro do chip," explica o cientista Scott Habermehl.

A tecnologia permitirá novos usos para o chaveamento de circuitos depois do processo de fabricação, programação de dispositivos ROM (somente leitura), identificação serial de chips, além de sistemas de segurança para dados e programas. Chips com antifusíveis também são mais adequados a ambientes de alta radiação ou para armazenamento de dados de longa duração, áreas nas quais a memória flash não é uma boa opção.





Outras notícias sobre:

Mais Temas