Meio ambiente

Plástico construído de casca de laranja e dióxido de carbono

Redação do Site Inovação Tecnológica - 21/01/2005

Plástico construído de casca de laranja e dióxido de carbono

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Cornell, Estados Unidos, fez uma descoberta que não poderia ser mais benéfica para o meio- ambiente: eles descobriram como produzir plásticos a partir de cascas de laranja - e de outros frutos cítricos - e dióxido de carbono.

Num artigo publicado no periódico científico Journal of the American Chemical Society, o professor Geoffrey Coates e seus alunos Chris Byrne e Scott Allen descrevem como produzir polímeros utilizando óxido de limoneno e dióxido de carbono, com o auxílio de uma "molécula ajudante" - um catalisador desenvolvido por eles mesmos.

O limoneno é um composto à base de carbono produzido por mais de 300 espécies de plantas. Na laranja, ele forma cerca de 95% do óleo presente na casca. Esse óleo já é utilizado pela indústria como essência, dando cheiro de citrus a detergentes e sabões.

Se o óleo for oxidado, ele gera o óxido de limoneno. Esse foi o composto utilizado pelos pesquisadores. O outro ingrediente foi o conhecido CO2 ou dióxido de carbono, famoso por se originar da queima de derivados do petróleo e produzir o efeito estufa.

Utilizando seu catalisador para combinar os dois ingredientes, os pesquisadores produziram um novo polímero, chamado de carbonato de polilimoneno. O novo material tem várias das características do poliestireno, um derivado do petróleo largamente utilizado para a fabricação de embalagens plásticas.

Nem o óxido de limoneno nem o CO2 isolados formam polímeros. Mas, quando se juntam, eles formam uma cadeia ordenada na qual os componentes se alternam, uma longa molécula polimérica ou plástica.

"Quase todos os plásticos que estão por aí, do poliéster nas roupas até os plásticos utilizados para o armazenamento de comida e nos equipamentos eletrônicos, têm o petróleo em sua origem," observa Coates. "Se você puder parar de usar petróleo e, ao contrário, utilizar recursos abundantes, renováveis e baratos, então aí está algo que nós devemos investigar. O que é entusiasmante nesse trabalho é que, a partir de fontes completamente renováveis, nós conseguimos fabricar um plástico de qualidade excelente."





Outras notícias sobre:

Mais Temas