Meio ambiente

Óleo de buriti gera fotoluminescência e degrada plásticos

Óleo de buriti gera fotoluminescência e degrada plásticos

Quem não conhece aqueles copinhos de plástico branco descartados aos montes diariamente a cada vez que se bebe água no trabalho? E as sacolas de supermercado, usadas em dupla para agüentar o peso das compras? Pois é, esse material leva algo entre 200 e 450 anos para se desintegrar e contribui muito com o aumento da quantidade de lixo e a redução das reservas de petróleo, material fonte desse produto.

Uma linha de pesquisa do Laboratório de Pesquisa em Físico-Química de Polímeros, da Universidade de Brasília (UnB), acaba de dar um passo importante na busca de soluções para o problema, em um momento em que o mundo se mobiliza em campanhas de redução do consumo de plásticos. Os experimentos já desenvolvidos adicionam o óleo de buriti ? derivado de um fruto típico da região Amazônica e do bioma cerrado ?, na síntese de compósitos de poliestireno (ex:copos descartáveis) e do polimetacrilato (acrílico).

Essa é a primeira vez, na UnB, que um produto natural é misturado a um polímero com esse objetivo. Em 2005 e 2006, os estudos prosseguem em busca de resultados para os testes relacionados ao tempo de degradação do plástico. "Já temos fortes indícios de que é um material com degradação mais rápida que o polímero puro", afirma a química Jussara Angélica Durães, autora da pesquisa, orientada pela professora Maria José Araújo Sales, do Instituto de Química (IQ). Entre outros benefícios do estudo também está o desenvolvimento sustentável de várias famílias que vivem da extração manejada do buriti.

Óleo de buriti gera fotoluminescência e degrada plásticos

O resultado da dissertação de Jussara foi patenteado em setembro de 2004, com o nome de Compósitos Fotoprotetores obtidos a partir do Poliestireno e do Polimetacrilato de Metila dopados com Óleo de Buriti. A mistura desses materiais com o óleo de buriti gerou um produto que absorve a radiação solar e funciona como fotoprotetor. "Ele poderia ser usado, por exemplo, na fabricação de óculos escuros, de películas protetoras, em revestimentos de paredes e na fabricação de leds (light emitting diodes), uma peça utilizada em computadores, celulares e semáforos para emitir luz", sugere Jussara.

Outro trabalho desenvolvido no Laboratório é a mistura do amido de mandioca com poliestireno e o óleo de buriti. O material obtido, em várias proporções dos componentes, demonstra fortes indícios de biodegradabilidade, em função da presença do amido e do óleo de buriti, reduzindo assim a quantidade de poliestireno no meio ambiente. Esse trabalho também é inédito.





Outras notícias sobre:

Mais Temas