Espaço

Avião movido a raio laser

Avião movido a raio laser
O protótipo é ultraleve e mede 1,5 metro de envergadura. [Imagem: Tom Tschida/NASA]

Avião a laser

Desde o advento do vôo motorizado, tem sido necessário que os aviões carreguem seu próprio combustível, seja ele na forma de tanques de querosene, células solares ou baterias. Ou mesmo na forma de um "motor humano", que supre a energia necessária para manter o avião no ar. Mas agora cientistas da NASA e da Universidade do Alabama (Estados Unidos) estão tentando mudar isto.

A equipe de cientistas desenvolveu e demonstrou um avião em pequena escala que voou utilizando unicamente energia propulsora suprida por um feixe invisível de raio laser. O laser, que fica em terra, rastreia o avião no ar, direcionando seu feixe de energia rumo a células fotovoltaicas especialmente desenhadas para o projeto, fixadas sobre as asas do avião. As células utilizam a energia do laser para gerar eletricidade e alimentar o motor elétrico que mantém o avião voando.

"O avião pode manter-se voando enquanto a fonte de energia, neste caso o feixe de laser, não for interrompida," afirma Robert Burdine, gerente do projeto. "Esta é a primeira vez que temos conhecimento que um avião foi propelido somente pela energia de um laser. É realmente um desenvolvimento revolucionário para a aviação."

Avião elétrico

O avião, com seu um metro e meio de envergadura de asas, pesa apenas 300 gramas e é guiado por controle remoto. O aparelho foi construído com balsa, uma madeira própria para aeromodelos, tubos de fibra de carbono e é recoberto por uma espécie de celofane, chamada Mylar.

As células fotovoltaicas foram especialmente construídas para o protótipo, nos laboratórios da Universidade do Alabama, de forma a retirar o máximo de rendimento do comprimento de onda do laser. As células convertem a luz do laser em energia elétrica que alimenta um diminuto motor que faz girar a hélice que propulsiona o avião.

Em 2.002 a mesma equipe de pesquisadores havia conseguido fazer voar um aeromodelo parecido, utilizando um princípio semelhante. Mas, ao invés de laser, os pesquisadores utilizaram um enorme holofote, do tipo utilizado em teatros.

Apesar do teste atual ter sido feito apenas em ambiente fechado, os pesquisadores estão otimistas sobre as possibilidades de utilização real da solução que eles desenvolveram. "Uma empresa de telecomunicações poderá colocar transponders em um avião e fazê-lo voar sobre uma cidade," afirma David Bushman, cientista da NASA. "O avião poderá ser utilizado para qualquer coisa desde a conexão de chamadas de telefones até televisão a cabo ou conexões à Internet".





Outras notícias sobre:

    Mais Temas