Materiais Avançados

Novo elemento químico 110: Darmstadtium

Redação do Site Inovação Tecnológica - 26/08/2003

110
Ds
Darmstadtium
281

Em sua 42ª Assembléia Geral, o conselho da International Union of Pure and Applied Chemistry (IUPAC), aprovou o nome oficial para o novo elemento químico de número atômico 110. Ele se chamará darmstadtium e seu símbolo será Ds. O novo elemento químico é sintético, ou seja, não ocorre livremente na natureza, e foi obtido pelo bombardeamento de um alvo de chumbo enriquecido com íons de níquel.

A descoberta do elemento 110, ocorrida em 1.994 e confirmada em 2.001, foi feita por um grupo de cientistas alemães, trabalhando na cidade de Darmstadt, pertencentes ao laboratório Heavy Ion Research (GSI). O experimento mais relevante resultou da fusão-evaporação utilizando um feixe de 62Ni sobre um alvo isotopicamente enriquecido de 208 Pb, produzindo quatro cadeias de nuclídeos emissoras de partículas alfa seguindo a presumida formação de 269Uun + n;

208Pb + 62Ni -> 269Ds + 1n

De acordo com os procedimentos da IUPAC, os descobridores do elemento 110 foram chamados a dar uma sugestão para o nome e o símbolo do novo elemento. A equipe, chefiada pelo Dr. Sigurd Hofmann propôs o nome darmstadtium, com o símbolo Ds. Este nome mantém a tradição de se nomear um novo elemento químico homenageando o local de sua descoberta.

A IUPAC foi formada em 1.919, por químicos da indústria e da academia. A entidade sem fins lucrativos é reconhecida como a autoridade mundial para legislar sobre nomenclatura química, terminologia, métodos de padronização para medições, pesos atômicos e vários outros dados que necessitam de avaliação crítica.

A prática da descoberta de novos elementos químicos produzidos em laboratório começou na década de 1.940, na esteira das pesquisas atômicas. Os elementos químicos com ocorrência natural vão apenas até o número atômico 92. Já foram anunciadas também as descobertas dos novos elementos químicos de números atômicos 111 e 112, mas nenhum grupo de pesquisa até agora conseguiu provar a autoria da descoberta, o que é necessário para que a IUPAC dê-lhes um nome oficial.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas