Nanotecnologia

Filmes nanoscópicos permitirão comunicação optoeletrônica ultra-rápida

Cientistas inspiraram-se na forma como os antigos gregos faziam o acabamento de suas esculturas para criar uma nova geração de materiais que poderão ser utilizados em equipamentos miniaturizados. Os materiais são filmes flexíveis e robustos com perfurações em escala nanométrica e revestidos com partículas também nanoscópicas. Eles são ambientalmente seguros e poderão permitir a comunicação optoeletrônica ultra-rápida.

Eles são produzidos pela auto-montagem de um intrincado quebra-cabeças 3D, o qual é preenchido com metal sólido ou plástico ativo, utilizando a mesma tecnologia empregada no revestimento de peças de joalheria. Esta nova técnica foi inspirada na forma como os gregos antigos faziam o acabamento de suas esculturas, apenas reduzindo a dimensão do processo em um fator de um milhão.

A nova técnica foi desenvolvida pelo professor Jeremy Baumberg, da Universidade Southampton. Segundo ele, as nano-perfurações produzem novas propriedades eletrônicas, magnéticas, óticas e biosensoriais, que podem ser aplicadas a uma vasta gama de novos equipamentos, principalmente na indústria de bens de consumo eletrônicos. "As complicadas nanoestruturas 3D são impossíveis de serem criadas utilizando-se as microtecnologias convencionais e irão preencher uma lacuna na nossa capacidade de construir o que precisamos em nanoescala." explica o professor.

E ele se entusiasma: "Nosso objetivo é permitir que os pesquisadores acordem com uma boa idéia, projetem seu nanodispositivo após o café da manhã, rapidamente construam um protótipo após o almoço e testem seu desempenho na mesma noite."

Os furos nanoscópicos feitos nos filmes funcionam como bolsas para outras nanopartículas úteis, mantendo-se no lugar. Essas estruturas parecidas com favos de mel podem fornecer o equivalente a andaimes para a montagem de nanodispositivos or nanosensores sensíveis em escala ultra miniaturizada. Como as partículas são extremamente pequenas, o material oferece uma área superficial muito maior, o que pode levar a catalisadores com desempenho muito superior aos atuais.

Materiais magnéticos crescidos no interior desses furos podem produzir nanomateriais cujas propriedades magnéticas podem ser adptadas para uma nova geração de memórias de computadores. Os nanoandaimes estão sendo pesquisados também para a montagem de circuitos eletrônicos tridimensionais e para produzir supercapacitores para equipamentos portáteis.

Os nanofilmes também apresentam novas cores estruturais, como dourado avermelhado ou azulado, que são ambientalmente seguros e que podem ser utilizados na ornamentação de superfícies, assim como permitir a criação de novos componentes de comunicação ótica ultra-rápida.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas